Tesouraria: o que é, funções e boas práticas

A tesouraria cumpre papel fundamental na gestão financeira de uma empresa. Conheça suas funções e melhores práticas no setor

A tesouraria é uma área vital para a saúde financeira de qualquer negócio. Afinal, esse departamento cumpre funções básicas em termos de gestão financeira, contribuindo para que o balanço final resulte em lucro.

Também pode tornar uma empresa mais ou menos atrativa para possíveis investidores, que devem priorizar organizações sólidas para garantir bons rendimentos. Se quer saber mais sobre como funciona e para que serve a tesouraria, este artigo é para você.

Tesouraria: o que é?

Tesouraria é o setor que cuida das entradas e saídas de recursos financeiros em uma empresa. Por lidar com a rotina de pagamentos e recebimentos, esse setor engloba tarefas básicas para a gestão de qualquer companhia, seja ela grande, média ou pequena.

Até mesmo um microempreendedor individual (MEI) precisa executar atividades de tesouraria para ter um controle mínimo sobre suas finanças. Segundo a classificação de estudiosos da Gestão Empresarial, a tesouraria representa uma das três dimensões em um campo mais abrangente.

É a administração financeira, que inclui, ainda, o planejamento e o controle de negociações de médio e longo prazo. Todos os braços da administração financeira têm como objetivo principal criar valor para os proprietários e investidores, enxugando custos e aumentando os lucros.

Nessa dinâmica, a tesouraria trata das operações de curto prazo, sendo responsável pelo controle diário de receitas e despesas.

Para que serve a tesouraria?

Ao entender o que é tesouraria, fica mais fácil compreender a sua importância. Ela serve para manter os gastos e rendimentos da empresa organizados, prevenindo impactos negativos no caixa. Para explicar melhor, vamos fazer um paralelo com a gestão das finanças de uma família de classe média.

Geralmente, as entradas ocorrem em um único dia ou período do mês, quando um ou mais membros recebem o salário. As contas, por outro lado, chegam em dias diferentes e precisam ser quitadas até o vencimento para evitar a cobrança de juros e outras taxas por atraso.

Há também aqueles gastos diários, como para a gasolina ou transporte público, que são variáveis. Se a família não anotar e gerenciar as entradas e saídas todos os dias, fica complicado chegar ao final do mês com as finanças em ordem, concorda?

O mesmo raciocínio vale para uma empresa. A diferença é que os valores são maiores e pode haver receitas em diferentes dias do mês, vindas de mais de uma fonte. Assim como a família, a companhia também paga por despesas fixas (salário, impostos, água, luz, telefone) e variáveis, como os gastos para aquisição de matéria-prima.

Sem uma tesouraria bem estruturada, é praticamente impossível controlar as entradas e saídas e verificar se a organização é saudável financeiramente, ou seja, se dá lucro. E o descontrole financeiro pode levar a consequências graves, que vão desde o endividamento até a falência da empresa.

Já quando a companhia é lucrativa, atrai investidores e mais recursos para crescer de maneira sustentável.

Quais as funções da tesouraria?

De forma resumida, a tesouraria é responsável pela manutenção dos recursos financeiros de uma organização no curto prazo. Confira, a seguir, as principais funções que colaboram para atingir essa meta.

 

Planejamento do fluxo de caixa

Fluxo de caixa é uma ferramenta básica para monitorar as entradas e saídas da companhia, que reúne os pagamentos, recebimentos e previstos. O fluxo de caixa pode ser feito através de planilhas ou em softwares específicos, que automatizam os registros e ajudam nos cálculos. De qualquer maneira, o acompanhamento diário, inclusive com relatórios, é papel da tesouraria.

 

Gestão dos recursos

Além de registrar as entradas e saídas, cabe à tesouraria definir como o dinheiro será gasto, inclusive as contas a pagar e investimentos.

 

Acompanhamento de contas e encargos

A tesouraria fica responsável por monitorar contas bancárias e outras aplicações da empresa, verificando se há opções mais vantajosas e conferindo taxas, encargos e outras tarifas.

Como gerenciar melhor a tesouraria

O primeiro passo para melhorar a gestão da tesouraria é estabelecer uma rotina de monitoramento para não perder de vista as despesas e receitas. Um jeito simples de colocar isso em prática é através de checklists, que permitem uma avaliação rápida e ampla sobre as tarefas para a gestão de recursos no curto prazo.

Neste resumo do Sebrae, você encontra um exemplo de lista que pode ser adaptada para acompanhar as finanças de diferentes tipos de negócio. É importante registrar tarefas de:

  • Controle diário de caixa, com todas as entradas e saídas
  • Controle bancário
  • Controle diário de vendas
  • Contas a receber (mensal)
  • Contas a pagar (mensal)
  • Controle mensal de despesas
  • Gerenciamento de estoques.

Trabalhar por uma gestão mais eficiente da tesouraria aumenta a confiabilidade nos resultados de uma empresa, favorecendo a captação de recursos e investimentos. Da mesma forma, é interessante verificar se existe o devido controle financeiro antes de investir em uma companhia.

Nesse sentido, você pode contar com a expertise da Capital Research, que traz recomendações de investimento baseadas em análises de especialistas. Aproveite para acessar nosso site e descobrir mais sobre como encontrar as melhores oportunidades de aplicar seu dinheiro.

Recomendados

Investimentos

Capitalização simples: entenda o conceito e impactos nos investimentos

Saiba mais sobre a capitalização simples, como calcular e qual sua utilidade para o ...

3 anos atrás

Investimentos

NTN-F: descubra o que são as Notas do Tesouro Nacional série F sem complicações

Investir no Tesouro Direto é uma boa opção para investidores específicos. O ...

3 anos atrás

Investimentos

Spread bancário: o que é, como é composto e qual a diferença no Brasil

Confira tudo sobre o spread bancário, qual sua composição e porque no Brasil esse ...

3 anos atrás