Como se proteger financeiramente em crise?

Os famosos períodos de “vacas magras” são mais comuns que imaginamos, sendo necessário aprender a se proteger financeiramente em crise.

Você passa anos juntando dinheiro, investindo e aprendendo sobre o mercado financeiro para alcançar sua meta de vida. Então, uma crise financeira passa e acaba levando toda sua reserva embora.

Acha que isso é impossível? Há pouco mais de dez anos vimos isso acontecer, na crise global de 2008. Além dela, há quase um século atrás, a crise americana de 1929 mudou os rumos da história.

Pode não parecer, mas crises têm o potencial de destruir finanças. Por isso, é muito importante saber como se proteger financeiramente em crise.

Mas, afinal, você sabe como evitar perdas, passando por épocas conturbadas sem precisar fazer grandes sacrifícios? É isso que vamos lhe mostrar nos próximos parágrafos.

Confira!

Por que é importante se proteger financeiramente em crise?

 

1.     Proteger seu patrimônio

O primeiro motivo é um tanto óbvio: proteger seu patrimônio (principalmente se você tiver filhos, que serão diretamente prejudicados por uma perda do tipo).

Vale mencionar, também, que vender um patrimônio por menos do que pagou por ele também deve ser considerado uma perda, já que além de perder o seu bem, ainda sairá no negativo.

 

2.     Não comprometer reservas

Apesar da reserva de emergência ser uma quantia levantada justamente para se proteger financeiramente em crise, o ideal é evitar o uso dessa quantia o quanto for possível.

Mesmo que você tenha que parar de realizar novos investimentos, o importante é conseguir superar períodos de crise com, pelo menos, seus rendimentos atuais. Dessa maneira, o que está investido continuará a render, mesmo com dificuldades de evoluir.

 

3.     Passar pela crise sem se sacrificar

Se proteger financeiramente  também garante que você mantenha o seu padrão de vida, mesmo quando tudo está desmoronando em seu entorno.

Assim, ao aprender a levantar uma barreira de proteção financeira para as crises, você aumenta suas chances de passar ileso por esse período.

No entanto, para se proteger financeiramente, na prática, em momentos de crise, o  primeiro passo é avaliar suas finanças, como mostraremos nos próximos parágrafos:

Avalie suas finanças

 

1.     Veja se vale a pena manter todos os seus ativos (atenção aos de maior risco)

Nesse primeiro momento, é importante fazer uma avaliação financeira de todos os seus ativos, começando pelos mais arriscados. Será que vale a pena mantê-los, ou o ideal é se livrar deles antes que comecem a cair?

Analistas do conhecido banco JPMorgan avaliaram que antes de uma crise assolar o mercado financeiro, ações de empresas que serão afetadas têm um aumento em seus bônus, superando os estoques, antes de desvalorizarem.

Esse é o momento ideal para fazer sua venda. Fazer isso gera dois benefícios: aumento da sua lucratividade e a venda de um ativo financeiro que logo perderá valor.

 

2.     Evite fazer saques de investimentos antes da hora

Um movimento comum para se proteger financeiramente em crise é o grande fluxo de saques de investimento. Isso porque com o medo de perder dinheiro, muitos investidores aceitam o impacto da queda de valor causada pelo saque antes da hora.

No entanto, essa ação pode não ser bem pensada e acaba sendo prejudicial, tanto para si quanto para o mercado. Títulos como do Tesouro Direto, por exemplo, continuam sendo boas opções, por seguros.

Por isso, saque seus investimentos apenas em último caso. Se puder, mantenha-os rendendo ao longo da crise.  Assim, você continuará tendo um colchão financeiro que, renderá mais que a inflação.

3.     Reforce seu controle financeiro pessoal

Além de manter a calma com os saques de investimentos, é recomendado, também, que você reforce seu controle financeiro pessoal. Em épocas de fartura, é comum “afrouxarmos” um pouco esse controle, já que há uma relativa segurança.

Em tempos de crise, porém, é importante avaliar seus rendimentos e despesas, fazendo ajustes quando necessário. Assim, é possível que com alguns simples cortes de despesas você consiga evitar ter de vender ativos, sacar investimentos ou recorrer à reserva de emergência.

Também vale a pena avaliar o impacto da crise em sua vida profissional. Como a sua área de trabalho é afetada pela crise e em qual nível de intensidade?

Para entender melhor, considere alguns fatores como o ritmo de crescimento da empresa onde trabalha, se o seu setor em específico está aumentando ou se a sua profissão está em alta.

Responder a essas perguntas te dará um panorama do risco que sofre em sua vida profissional. Assim, se for necessário, poderá pensar em alternativas para gerar renda e se proteger financeiramente em crise.

Como evitar mais prejuízo em épocas de crise?

 

1.     Tenha uma reserva de emergência

Qualquer consultor financeiro irá lhe dizer isso, mas é uma verdade incontestável: ter uma reserva de emergência é a melhor maneira de se proteger financeiramente.

O ideal é montar essa reserva a partir de investimentos como títulos públicos. Assim, você terá um investimento seguro que rende acima da inflação.

 

2.     Evite investimentos de médio ou alto risco

Apesar de prometerem retornos mais rápidos, também são maiores as chances de acabar perdendo dinheiro. Em períodos de crise, esse risco aumenta.

Por isso, em momentos assim, o ideal é manter investimentos seguros. Apostar na Bolsa de Valores ou outros tipos de ativos de renda variável, principalmente quando não tem experiência, pode acabar sendo prejudicial.

 

3.     Prefira investimentos que agreguem rentabilidade e segurança

Como mencionamos, em momentos de crise, o ideal é procurar investimentos mais seguros. Assim, você se protege financeiramente, na mesma medida que mantém seus rendimentos crescendo ,mesmo quando o mercado está retraindo.

Um dos poucos tipos de investimentos mais arriscados que pode considerar é o ouro, um bem físico que até hoje é usado para avaliar o valor de moedas ao redor do mundo.

 

4.     Tome cuidado para não vender ativos cedo demais

Lembra de uma de nossas primeiras dicas, que menciona um pequeno acréscimo em valores de ações antes do início da queda? Nem sempre o aumento do preço de uma ação significa que uma crise está por vir.

Esses bônus “pré-crise” começam a superar os estoques mais de um ano após a recessão. Ou seja, vender ao primeiro sinal pode fazer com que deixe de ganhar mais.

Caso o acréscimo tenha certa constância e os sinais de crise começarem a ficar mais claros, esse será o momento ideal para vender antes das quedas.

Como a maioria das atividades no mercado financeiro, encontrar esse ponto estratégico requer estudo e experiência. Por isso, é importante se proteger financeiramente e evitar aventuras, principalmente em tempos de crise.

Se não se sente seguro para fazer esses movimentos financeiros, o ideal é que procure ajuda de especialistas. Confira como nossos planos podem lhe ajudar!

Recomendados

Investimentos

Subprime: descubra o que é e as causas da crise imobiliária

Subprime é um tipo de ativo que ficou famoso na crise imobiliária dos Estados ...

2 anos atrás

Investimentos

Demanda efetiva: veja o que é e como influencia na economia

A demanda efetiva é um conceito econômico muito utilizado em crises, mas é alvo de ...

2 anos atrás

Investimentos

Empresa de economia mista: o que é, vantagens, desvantagens e exemplos práticos

Entenda como funciona a divisão societária de uma empresa de economia ...

3 anos atrás