Previdência complementar: como investir na aposentadoria

Previdência complementar, como o nome sugere, complementa benefício do INSS para aposentadoria melhor. Veja como funciona.

Investir em previdência complementar é uma maneira eficaz para garantir uma renda futura confortável. E vamos combinar que, depois de longos anos trabalhados, nada mais justo do que ter uma aposentadoria tranquila, concorda?

Pensando nisso, selecionamos as principais informações sobre os planos previdenciários para que você possa compreendê-los e, então, escolher o melhor dentre eles. Veja, assim, o que é a previdência complementar, como ela funciona e o que observar ao se decidir pela sua aposentadoria.

O que é previdência complementar?

A previdência complementar é uma poupança acumulada durante a vida produtiva, que será utilizada quando as atividades profissionais se encerrarem e/ou assim que o contratante se aposentar.

Além de ser uma forma de poupar para a terceira idade, os planos de aposentadoria privada têm a função de investimento. Dessa forma, o dinheiro aplicado rende juros durante todo o tempo em que permanecer investido.

A previdência é dividida em aberta ou fechada. O formato aberto pode ser contratado por qualquer pessoa e é operado por instituições financeiras. O PGBL e o VGBL são os planos abertos de previdência privada mais conhecidos e se diferenciam, basicamente, pela maneira como o Imposto de Renda incide sobre eles.

Já a aposentadoria fechada é administrada por empresas e entidades de classe aos seus funcionários ou membros, de maneira exclusiva. Também conhecidos como fundos de pensão, os planos fechados são categorizados em instituídos e patrocinados (quando a operadora paga uma parcela da previdência).

Os planos previdenciários têm a função de complementar a renda do benefício pago pelo governo, através do INSS. Mas, dadas a sua flexibilidade e rentabilidade, podem se tornar a principal fonte de renda futura.

 

Como funciona a previdência complementar

Lembra que falamos que a previdência complementar é poupança e investimento? Os planos têm o objetivo de formar um montante de dinheiro para o futuro, mas, ao mesmo tempo, eles são rentabilizados.

Isso acontece porque as operadoras da aposentadoria recolhem o dinheiro dos contratantes e o reinvestem em outros ativos financeiros. Assim, durante todo o período de acumulação, o valor aplicado como plano previdenciário é realocado em outros investimentos e rende juros ao investidor.

O contratante, então, escolhe o plano e faz aportes mensais. Se preferir, pode começar a previdência com um aporte inicial, a fim de aumentar o montante investido. Depois que a acumulação se encerra, ele fará o resgate total do saldo ou receberá o valor em forma de renda mensal ou vitalícia.

Existem diversas maneiras para aplicar e resgatar a aposentadoria. Tudo dependerá do plano contratado e das condições acordadas entre contratante e operadora.

Vale observar que as instituições que administram a previdência cobram taxas para realizar a operação. Taxas de administração e carregamento são os custos mais comuns com o investimento. Dessa forma, fique de olho nesses valores para encontrar as melhores condições para poupar e investir.

Vale a pena investir na previdência complementar?

É muito comum que as pessoas tenham dúvidas sobre a previdência complementar e se realmente vale a pena investir nesta aplicação. Depois que você compreendeu o que ela é e como funciona, trouxemos um comparativo de prós e contras para que você consiga avaliar o que é mais relevante.

Veja e compare:

 

Vantagens

Estas são as principais vantagens da previdência complementar:

  • Foco e disciplina: dinheiro poupado disciplinarmente para a aposentadoria e que rende juros
  • Variedade de opções: diferentes planos para investir e para resgatar, atendendo a variados perfis de investidores
  • Sem inventário: caso o contratante venha a falecer antes de utilizar todo o montante – e se o contrato permite o repasse aos herdeiros – o saldo remanescente não precisa entrar em inventário.

 

Desvantagens

Agora, os principais pontos de atenção sobre a previdência complementar:

  • Baixo retorno: a rentabilidade pode não ser tão atrativa, em comparação a outros tipos de investimentos
  • Cobranças: há custos extras com a operadora, como taxa de administração e carregamento.

Como escolher entre os planos de previdência complementar

Como vimos, existem vários formatos de aposentadoria complementar. Mas, de que forma escolher entre os planos? Antes mesmo de entrar a fundo na pesquisa pela previdência, é importante que você compreenda quais são seus objetivos como investidor. 

Assim, entenda sua expectativa de renda futura, metas de rentabilidade e tolerância ao risco. O seu perfil será determinante para escolher entre os planos complementares de aposentadoria.

Conheça seu orçamento atual e faça uma projeção dos valores futuros. Dessa maneira, você será capaz de avaliar o quanto consegue poupar e investir hoje para receber amanhã.

Além disso, entenderá se o seu esforço financeiro será suficiente para manter o seu nível de vida quando se aposentar. Em seguida, faça uma análise ampla do mercado, pesquise pelas ofertas e empresas disponíveis. 

Seja criterioso e avalie taxas, condições e instituições. Então, compare os planos e estude aqueles que estejam mais alinhados aos seus objetivos.

Por fim, continue se atualizando sobre finanças e investimentos. Dessa forma, você conseguirá compreender se a previdência complementar é a aplicação financeira adequada para você. Por isso, siga com sua leitura pela Capital Research e mantenha-se atualizado sobre o mercado financeiro e de investimentos.

Recomendados

Investimentos

Previdência complementar fechada: vale a pena?

...

2 anos atrás

Investimentos

Previdência tem FGC? Tire suas dúvidas sobre a aposentadoria complementar

...

2 anos atrás

Investimentos

Previdência privada: como funciona para fazer uma aposentadoria complementar

A previdência privada é um investimento de longo prazo que atende a diferentes ...

2 anos atrás