Previdência complementar fechada: vale a pena?

Veja como funciona a previdência complementar fechada, quais são as características do investimento e se vale para o seu perfil.

Previdência complementar fechada é um benefício exclusivo oferecido por empresas a seus funcionários e por entidades de classe a seus associados.

Os planos podem ser patrocinados ou não. No caso dos patrocinados, há uma contrapartida da empresa que pode ser igual às contribuições do funcionário.

Assim, para cada R$ 1,00 colocado na previdência pelo colaborador, a empresa investe mais R$1,00, o que favorece significativamente o crescimento do patrimônio.

Neste artigo, você vai entender como funciona a previdência fechada e as vantagens desse benefício.

Como funciona a previdência complementar fechada

A previdência complementar fechada, também conhecida como fundo de pensão, funciona como um investimento de longo prazo com o objetivo de complementar a aposentadoria do INSS.

No caso das empresas, são chamados de planos patrocinados, porque há a participação patronal na fase de acumulação do patrimônio. No caso das entidades, são conhecidos como planos instituídos, porque geralmente não há a contrapartida.

Os planos de previdência fechada se dividem em três tipos:

Contribuição Definida

Nos planos do tipo Contribuição Definida (CD) você define previamente o quanto vai pagar durante a fase de formação do patrimônio. Ao se aposentar, entretanto, não tem renda vitalícia garantida. Dependendo do tempo de recebimento do benefício, o montante acumulado pode acabar.

Não há superávits ou déficits nos planos CD, quando o contribuinte é obrigado a fazer contribuições esporádicas (déficit) ou tem direito a receber um dinheiro extra (superávit).

Benefício Definido

Os planos do tipo Benefício Definido (BD) garantem renda vitalícia ao se aposentar, com valores definidos no ato da adesão. Por outro lado, as contribuições podem variar com o passar do tempo. Outra característica dos planos BD é a possibilidade de déficits e superávits.

Se faltarem recursos, o contribuinte precisa fazer contribuições extraordinárias. Se sobrar, recebe um dinheiro extra.

Contribuição Variável

Os planos de Contribuição Variável (CV) reúnem características dos dois anteriores. Durante a fase de acumulação, funciona como um CD, com valores fixos e sem definição de quanto receberá no futuro.

No final da fase de contribuição, se transforma em um BD, em que a renda se torna vitalícia. Também é passível de déficits e superávits.

Vantagens da previdência complementar fechada

Além do patrocínio da empresa, os planos de previdência privada fechada têm várias vantagens em relação a outros investimentos, como as listadas a seguir:

  • Desconto no Imposto de Renda: quem tem previdência fechada pode descontar as contribuições feitas até o limite de 12% da renda bruta anual tributável, semelhante aos planos PGBL da previdência aberta
  • Sem come-cotas: não há o recolhimento antecipado do Imposto de Renda, chamado de come-cotas, comum em fundos de renda fixa e multimercados
  • Taxas menores: planos fechados são geridos por Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC). Como são instituições sem fins lucrativos, cobram taxas de administração mais baixas.

Ao aderir a um plano fechado de previdência, você pode escolher também como pagar o Imposto de Renda, cobrado em casos de resgate ou recebimento da renda. São duas tabelas:

  • Tabela progressiva: segue a mesma regra da tributação sobre os salários e outros rendimentos tributáveis. Vai de zero a 27,5% dependendo do valor recebido
  • Tabela regressiva: ideal para quem pretende investir por 10 anos ou mais. Começa em 35% para aplicações de até dois anos e vai a 10% para investimentos acima de 10 anos.

Previdência complementar fechada x aberta

Enquanto a previdência aberta é oferecida por instituições financeiras ao público em geral, a previdência complementar fechada é restrita a funcionários de empresas ou associados de entidades.

Previdência complementar fechada e aberta tem alguns pontos em comum, como as vantagens tributárias, mas há diferenças.

Um ponto que merece atenção diz respeito aos resgates. Nos planos abertos, passado o período de carência o cliente pode fazer saques antecipados sem restrições. Também é possível interromper as contribuições ou fazer aportes esporádicos.

Nos planos fechados, especialmente os oferecidos por empresas em que há a contribuição paritária, o usuário não pode sacar o dinheiro investido ou interromper as contribuições antes de se aposentar ou sair da empresa.

Nos casos de desligamento, é possível resgatar, mas apenas a parte investida pelo funcionário – perdendo os recursos aplicados pela empresa.

Outras possibilidades são: fazer portabilidade, continuar contribuindo e assumir a parte da empresa ou aguardar o cumprimento dos requisitos para se aposentar sem fazer novos aportes. É importante avaliar qual das opções é mais vantajosa.

Vale a pena investir em previdência complementar fechada?

Investir em previdência complementar fechada pode valer muito a pena, principalmente se o plano for patrocinado.

Além das vantagens tributárias exclusivas dos investimentos previdenciários, os planos fechados contam com taxas mais baixas de administração, têm a contribuição patronal e oferece diferentes opções de renda ao se aposentar.

Se sua empresa oferece esse benefício, avalie as condições e aproveite a oportunidade investir com consciência para o longo prazo. Gostou do artigo? Então assine a newsletter e fique por dentro de todas as novidades do mercado financeiro.

Recomendados

Investimentos

Qual previdência privada desconta no Imposto de Renda?

...

2 anos atrás

Investimentos

Previdência privada sem taxa de carregamento existe? Confira

...

2 anos atrás

Investimentos

Fundo de Previdência privada: o que é e como investir?

Entenda como funciona um fundo de previdência privada e saiba quais são as ...

2 anos atrás