Organização financeira pessoal: como cuidar melhor do seu dinheiro

Quem tem sonhos e metas que dependem do dinheiro precisa se dedicar à organização financeira pessoal. Descubra como.

A organização financeira pessoal é um dos elementos básicos para que seu dinheiro renda mais. Afinal, somente com as contas organizadas é possível entender de onde vêm e para onde vão os seus recursos.

Mas, contrariando o que muita gente pensa, estruturar e planejar o orçamento não é tão difícil. Com atenção e disciplina, dá para fazer o dinheiro trabalhar a seu favor.

Confira, a partir de agora, 5 dicas práticas para melhorar a sua organização financeira pessoal, realizar metas e ter resultados melhores com as contas.

O que é organização financeira pessoal?

Para entender o que é organização financeira pessoal e sua importância, vale uma analogia. Então, pense no seu guarda-roupas. Quando você precisa se arrumar para sair, fica muito mais demorado e difícil encontrar as peças certas se ele estiver bagunçado, certo?

No entanto, se as roupas estiverem arrumadas, separadas por categorias e usos, cores ou outros fatores, é bem mais simples visualizar os itens e escolher entre eles.

O mesmo deve acontecer com o seu orçamento. Tudo precisa estar no seu devido lugar para que as tomadas de decisão sejam mais rápidas e fáceis. Assim, a organização financeira pessoal é o hábito de manter as contas ordenadas de acordo com critérios preestabelecidos.

Não existem regras rígidas para organizar seu dinheiro, já que as necessidades variam de pessoa para pessoa e o nível de complexidade orçamentária também. No entanto, daremos algumas dicas – mais a frente – para facilitar a sua organização financeira.

Para que serve a organização financeira pessoal

Imagine que você recebe uma proposta de investimento que parece irresistível, com boa taxa de juros. Para isso, será necessário fazer depósitos mensais por 15 anos consecutivos até obter o retorno atrativo. Será que a aplicação é uma boa opção?

Além de considerar fatores diretamente relacionados ao investimento, antes de tudo, você deve se perguntar se os aportes e o prazo cabem no seu orçamento. E, obviamente, você precisa que ele seja claro e realista, para compreender se as parcelas e o período investido se encaixam confortavelmente nas suas contas.

Assim, um dos grandes motivos para que você tenha a organização financeira pessoal em dia é ter os dados atualizados para analisar oportunidades de investimento. Além disso, um orçamento organizado permite que suas finanças sejam muito mais saudáveis.

Benefícios da organização financeira

Estes são os principais benefícios da organização financeira pessoal:

  • Clareza dos ganhos e gastos
  • Entendimento da origem dos problemas financeiros para, então, resolvê-los
  • Dados realistas para planejar as finanças pessoais com objetividade
  • Investimentos organizados e dentro das reais possibilidades do investidor.

Como melhorar a organização financeira pessoal

Agora que você já sabe o que é a organização das finanças e como você pode se beneficiar com ela, confira dicas práticas para estruturar seu orçamento pessoal.

 

1. Coloque todas as contas na ponta do lápis

O primeiro passo é realmente burocrático, mas essencial. Colete dados de todas as suas receitas e despesas para entender o quanto entra de dinheiro e o quanto sai mensalmente. Então, anote salários, comissões, aluguéis, rendimentos e outros de um lado. Do outro, liste seus gastos com alimentação, moradia, saúde, lazer e tudo o mais.

 

2. Personalize suas finanças

Não há padrão para criar um orçamento. No geral, são listadas entradas e saídas de dinheiro e o resultado do período é conferido. 

Mas as contas podem – e devem – se alterar para cada pessoa. Então, se você não paga aluguel, mas tem prestação do carro, o peso de “veículos e transporte” será maior no seu orçamento do que para quem tem despesas mensais com a casa.

Assim, é importante elaborar o orçamento de acordo com suas demandas e entendê-lo dentro da sua realidade financeira.

 

3. Seja realista com seu orçamento

Em uma planilha ou no caderno mesmo, monte seu orçamento pessoal. Pegue, então, as contas e retire todos os custos da sua renda total. Avalie o quanto cada um dos valores pesa no mês e no ano. Além disso, confira o que é ou não indispensável para suas finanças.

Lembre-se: seja realista! Não adianta maquiar dados, aumentando, diminuindo ou ocultado contas.

 

4. Planeje suas finanças

Agora que você já sabe quais são seus ganhos e gastos, fica mais fácil planejar com seu dinheiro. Se houver dívidas a serem pagas, você conseguirá saber o quanto do seu orçamento pode ser comprometido para quitar a conta. Caso queira investir, entenderá o valor mensal que consegue desembolsar para aplicar em ativos.

 

5. Mantenha a disciplina

Da mesma forma que não dá para arrumar o guarda-roupas apenas uma vez na vida e esperar que ele se mantenha organizado, não basta criar uma planilha e deixá-la parada.

Você precisa alimentar periodicamente o seu orçamento com dados realistas e atualizados. Deve, ainda, rever os critérios e contas sempre que for necessário, adaptando o ordenamento a sua realidade.

A organização financeira pessoal é um hábito que só traz vantagens. Veja, ainda, outras formas de tornar suas finanças ainda mais saudáveis com os conteúdos exclusivos da Capital Research.

Recomendados

Investimentos

Inflação acumulada: cálculo e importância para as finanças

...

2 anos atrás

Investimentos

Finanças comportamentais: 5 segredos para investir melhor

As finanças comportamentais revelam erros comuns dos investidores iniciantes. ...

2 anos atrás

Investimentos

Conheça 5 melhores podcasts sobre economia e finanças

Os streamings de áudio são uma ótima opção para se manter bem informado sobre o ...

2 anos atrás