Inflação acumulada: cálculo e importância para as finanças

A inflação acumulada corrói o seu poder de compra. Entenda como calcular para descobrir a rentabilidade real das aplicações.

A inflação acumulada não corrói apenas o poder de compra do seu dinheiro no longo prazo — ela também prejudica os seus investimentos.

Suponha, por exemplo, que a rentabilidade das suas aplicações financeiras não supere a inflação acumulada do período. Embora você não necessariamente tenha perdido dinheiro, na prática o poder de compra vai diminuir. 

Ficou confuso? Neste artigo, você vai entender isso na prática, com exemplos fáceis de analisar. 

Ao fim da leitura, você não vai apenas compreender a importância do cálculo da inflação acumulada, como também vai descobrir como comparar o IPCA acumulado com os seus investimentos. 

O que é inflação acumulada

Para entender o conceito de inflação acumulada, é preciso compreender, antes, o que significa inflação. Falando em termos simplificados, a inflação é o nome dado para o aumento generalizado no preço dos produtos e serviços.

Em geral, esse aumento de preços está relacionado ao aumento da oferta de dinheiro na economia. É simples: com mais dinheiro circulando, os preços tendem a subir. Desde que esteja sob controle – o que não ocorreu no Brasil no final da década de 1980, durante a hiperinflação –, esse movimento é saudável e esperado no capitalismo.

Medida todos os meses pelo IBGE por meio do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação mostra, em um número percentual, quanto os preços oscilaram em determinado mês.

Para chegar a esse número, o IBGE calcula, todos os meses, o custo de vida das famílias brasileiras, de acordo com uma cesta de produtos e serviços pré-definida, abrangendo famílias com renda de um a 40 salários mínimos. 

Portanto, a inflação acumulada nada mais é do que a soma da inflação em determinado período, considerando, é claro, os juros compostos, ou juros sobre juros, neste cálculo. 

A seguir, vamos entender como a inflação impacta a sua vida na prática e por que é importante calculá-la.

Importância do cálculo da inflação acumulada

Embora seja um fenômeno natural e esperado no capitalismo, a inflação acumulada é capaz de corroer o seu poder de compra no longo prazo.

Você sente isso na prática: cem reais hoje compram muito menos do que cem reais em 2000. 

Quer saber exatamente quanto? Aproximadamente 3,3 vezes menos. 

De acordo com o IBGE, a inflação acumulada entre janeiro de 2000 e janeiro de 2020 foi de 235%. Isso significa que, para adquirir os mesmos produtos que você comprava com R$ 100 no ano 2000, hoje precisaria de R$ 335.

Calcular a inflação acumulada é importante para fazer essas correções, mas também para que o Banco Central consiga manter a situação sob controle e a inflação dentro da meta projetada.

O principal instrumento para isso é a taxa básica de juros da economia, a Selic. Por meio dela, o Banco Central consegue estimular ou frear o consumo das pessoas e das empresas. Quanto menor a taxa, menores serão os juros da economia, e mais fácil será o acesso a crédito. Da mesma forma, quanto maior a taxa, maiores serão os juros, e mais caro será acessar o dinheiro.

Foi por isso que a taxa Selic alcançou 14,25% entre 2015 e 2016, quando a inflação chegou a superar os 10%. Também por isso ela está na sua mínima histórica em 2020, a 3%, em dados de junho de 2020, enquanto a inflação acumulada dos últimos 12 meses foi de apenas 2,40%.

Para o investidor, o cálculo da inflação acumulada também é importante, porque, se o seu investimento não superar a inflação do período, isso significa que você está perdendo poder de compra. 

Em diversos momentos, isso é o que acontece com a Poupança, que registrou rentabilidade abaixo da inflação em diversos anos.

Como fazer o cálculo da inflação acumulada

A seguir, mostramos duas maneiras bem simples de fazer o cálculo da inflação acumulada, seja para corrigir um valor ou comparar com os seus investimentos.

Adote a Calculadora do Cidadão

Desenvolvida pelo Banco Central, a Calculadora do Cidadão é a melhor alternativa para quem deseja calcular a inflação acumulada de algum período. 

Na plataforma, você consegue definir por qual índice você deseja corrigir um determinado valor, como IPCA ou IGP-M, e também estipular o período exato. Em seguida, basta inserir o valor que você deseja que a calculadora corrija – ou deixar em branco, caso o interesse seja apenas descobrir o percentual.

Por exemplo: se você deseja descobrir a inflação acumulada entre 2010 e 2020, basta inserir esses dados na calculadora e clicar em corrigir valor.

Percebe-se que a inflação acumulada foi de 76,67% no período. Para corrigir um determinado valor, bastaria multiplicar por 1,76. Já do ponto de vista dos investimentos, a rentabilidade precisa ser superior a esse valor para superar a inflação e gerar um retorno real.

Utilize aplicativos de performance da carteira

Se você já investe, pode utilizar aplicativos que calculam a performance da carteira, como Kinvo, Trademap ou RealValor, e acompanhar a rentabilidade por meio dessas plataformas.

Além de calcular a rentabilidade das suas aplicações, separando por classes de ativos, esses aplicativos permitem comparar com o IPCA do período, que, na prática, é a inflação acumulada.

E aí, gostou das dicas? Se você está procurando investimentos para superar a inflação, assine o plano Capital e tenha acesso às recomendações dos analistas da Capital Research, com as melhores dicas para ações e fundos imobiliários, além de renda fixa.

Recomendados

Uncategorized

Tesouro IPCA: quando vale a pena?

Planejamento e disciplina são fundamentais para quem quer investir em um longo ...

2 anos atrás

Investimentos

IPCA: como o principal índice de inflação da economia afeta seus investimentos

IPCA, ou índice de preços ao comsumidor amplo é o principal indicador da ...

3 anos atrás

Investimentos

Causas da inflação: razões e impactos da oscilação de preços

...

2 anos atrás