O que significa TR e qual a sua relação com os investimentos?

Entender o que significa TR ajuda até mesmo na análise de investimentos. Conheça detalhes sobre essa taxa e sua aplicação.

Não sabe o que significa TR? Ou não entende bem como a chamada Taxa Referencial afeta o seu dinheiro? Seja qual for a sua dúvida, este artigo vai respondê-la.

Criada em meio a um dos momentos econômicos mais turbulentos da história do Brasil, a TR sofreu algumas mudanças ao longo dos anos. Assim, a taxa exerce uma tímida função de indexador em algumas aplicações financeiras atualmente.

Nesta leitura, você vai saber como ela foi criada e qual a utilidade da Taxa Referencial nos dias de hoje. Acompanhe!

O que significa TR?

Agora, você já sabe o que significa TR: Taxa Referencial. Mas do que se trata, exatamente? Para responder, precisamos voltar um pouco no tempo.

Nos anos 1980 e 1990, o Brasil passou por um grave período em sua economia: a hiperinflação. A escalada de preços precisou de diferentes medidas econômicas para a contenção dos danos – o que só veio a acontecer com a criação do Plano Real, em 1994.

Entre erros e acertos, em 1991, foi criada a Taxa Referencial – TR. Assim, o número tinha como principal função a desindexação dos preços e o controle da hiperinflação.

Ao portal Época, Luiz Roberto Cunha, economista e professor da PUC-Rio especializado em inflação, lembrou a TR não eliminaria a desindexação, mas traria outra forma de trabalho: “Em vez de fazê-la ‘para trás’, com base em uma inflação que já ocorreu, procurou-se fazer uma indexação ‘para a frente’”.

Assim, a TR funcionava como a taxa básica de juros da economia brasileira. Mais tarde, no entanto, o Banco Central (Bacen) daria esse papel à Taxa Selic. Hoje, o Bacen é o responsável pela divulgação periódica dos valores da TR.

Atualmente, a Taxa Referencial aparece na correção de investimentos. Dessa maneira, ela surge como um índice multiplicador em diferentes aplicações financeiras.

Para que serve a TR?

Na sua criação, a Taxa Referencial servia para descobrir a taxa média de juros da economia, eliminando a influência de impostos no seu cálculo. Assim, ela trabalharia para eliminar o peso dos acúmulos de aumento dos preços e serviria como referência de rentabilidade para diversos investimentos.

Agora, a TR tem basicamente as seguintes funções:

  • Remunerar alguns tipos de investimentos
  • Corrigir o saldo do FGTS
  • Atualizar financiamentos imobiliários.

Veja, na sequência, em quais tipos de aplicações financeiras a TR é utilizada.

Onde a TR é aplicada?

Ainda hoje, a TR é aplicada sobre alguns tipos de investimentos. Ou seja, a correção dessas aplicações financeiras é calculada com base em algum valor somado à Taxa Referencial.

Confira em que ativos a TR é aplicada:

  • Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)
  • Títulos de Capitalização
  • Financiamentos imobiliários pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH)
  • Títulos do Tesouro Direto
  • Caderneta de poupança.

 

A TR nos investimentos

Algumas notas do Tesouro Nacional têm sua rentabilidade atrelada ao valor da TR. A NTN-H e NTN-D, por exemplo, remuneram os investidores utilizando a Taxa Referencial em seu cálculo.

Esses ativos, no entanto, não são mais negociados diretamente pelo Tesouro Nacional. Dessa forma, são mais raros de serem encontrados no mercado de investimentos.

Outra aplicação que está diretamente relacionada à TR é a caderneta de poupança. Assim, seu rendimento mensal é de 0,5% + TR (quando a Selic é maior do que 8% a.a.) ou 70% Selic + TR.

Qual a TR hoje?

Com os números da inflação caindo ano após ano, a TR foi perdendo seu protagonismo nos índices econômicos. Em 2018, o Banco Central alterou as suas diretrizes de cálculo. Desde então, a Taxa Referencial se baseia nas taxas de juros das Letras do Tesouro Nacional (LTN).

Juntando a inflação baixa e as mudanças do Bacen, o valor da taxa veio caindo ao longo dos anos. Hoje, a TR é igual a 0%.

Cálculo da TR

Para chegar aos valores da Taxa Referencial, o Banco Central utiliza a seguinte fórmula:

  • TR = 100 x [(1 + TBF ÷ R) – 1]]

TBF é a Tarifa Básica Financeira, divulgada pelo próprio Banco Central. R é o redutor e tem outro cálculo específico: 

  • R = a + b x TBF

Em que:

  • a = 1,005 (valor definido na criação da TR)
  • b = depende do valor da TBF e é divulgado pelo Banco Central

Um ponto importante: a TR nunca é negativa. Se o cálculo resultar em algum valor abaixo de zero, o Bacen divulga a taxa como zerada.

 

Histórico anual da TR

Ano

Taxa TR

2019

0,00%

2018

0,00%

2017

0,60%

2016

2,01%

2015

1,80%

2014

0,86%

2013

0,19%

2012

0,29%

2011

1,21%

2010

0,69%

2009

0,71%

2008

1,63%

2007

1,45%

2006

2,04%

2005

2,83%

2004

1,82%

2003

4,65%

2002

2,80%

2001

2,29%

2000

2,10%

1999

5,73%

1998

7,79%

1997

9,78%

1996

9,56%

1995

31,62%

1994

951,20%

1993

2474,74%

1992

1156,22%

1991

335,52%

Conseguiu entender o que significa a TR e como ela funciona? Apesar de ter se alterado ao longo dos anos, a taxa ainda se faz presente no nosso dia a dia – mesmo que timidamente. Então, continue com a Capital Research para descobrir outras importantes informações sobre finanças, economia e investimentos.

Recomendados

Investimentos

Como calcular a TIR e usar a Taxa Interna de Retorno para investir

...

3 anos atrás

Investimentos

Corretora taxa zero: reduza custos ao investir

...

2 anos atrás

Investimentos

Descubra como calcular juros ao mês a partir da taxa anual

...

2 anos atrás