Investimento em previdência privada: como planejar

Entenda o investimento em previdência, para quem é indicado e quais fatores levar em conta na hora de contratar um plano.

Entender o investimento em previdência privada é o primeiro passo para planejar o futuro financeiro e incrementar a aposentadoria. Indicada para o longo prazo, esse tipo de aplicação permite aproveitar benefícios fiscais que aumentam a rentabilidade e obter todas as vantagens da gestão profissional do portfólio.

Mas será que você tem o perfil adequado para o investimento em previdência privada? Afinal, como funcionam fatores como Imposto de Renda, resgate e plano? É o que você vai descobrir na sequência. Então, siga acompanhando.

O que é investimento em previdência privada

O investimento em previdência privada tem como objetivo complementar a previdência social. Os planos de previdência são oferecidos no mercado por bancos e corretoras de crédito e podem ser contratados por qualquer pessoa física. Portanto, não existe qualquer ligação com o INSS.

De forma simplificada, a previdência privada funciona assim: o investidor realiza contribuições regulares para o fundo, e o dinheiro permanece aplicado durante os anos. A ideia é que os rendimentos sejam resgatados no longo prazo. Aí, no momento da aposentadoria, é possível resgatar o montante sob a forma de renda mensal ou saque único.

Características do investimento em previdência privada

Ao fazer o investimento em previdência privada, você deve escolher o plano e o regime de tributação. Trata-se de características essenciais que definem a forma de cobrança do Imposto de Renda. Confira a seguir:

PGBL ou VGBL

Os dois planos de previdência disponíveis no Brasil são o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre).

No PGBL, o investidor tem direito a uma restituição de até 12% da renda bruta tributável na declaração de Imposto de Renda. Nesse caso, a alíquota incide sobre o montante total: valor total depositado e o rendimento. É a opção indicada para quem usa o formulário completo de declaração de IR e possui uma renda alta o suficiente para absorver o desconto.

No VGBL, não é permitido fazer restituição. Mas a vantagem é que a alíquota de IR incide apenas sobre os rendimentos do período. O plano é indicado para quem usa o formulário simplificado de Imposto de Renda.

Tabela regressiva ou progressiva do IR

Os modelos de tributação disponíveis são o regressivo e o progressivo. Ao contratar a previdência, é preciso definir a tabela que você vai usar.

Na tabela regressiva, a alíquota de Imposto de Renda diminui de acordo com o período até o resgate. Assim, quanto maior o tempo do investimento, menor é a cobrança  — o que a torna vantajosa no longo prazo. A tabela é a seguinte:

  • Até 2 anos: 35%
  • De 2 a 4 anos: 30%
  • De 4 a 6 anos: 25%
  • De 6 a 8 anos: 20%
  • De 8 a 10 anos: 15%
  • Acima de 10 anos: 10%.

Já a tabela progressiva tem alíquota de 15% cobrada na fonte e, no recebimento da renda, há reajuste da tributação. A alíquota aumenta de acordo com o valor recebido, variando de 0 a 27,5%. É um regime interessante para quem está perto de usufruir dos benefícios da previdência e quer evitar as alíquotas iniciais da tabela regressiva.

Para quem é o investimento em previdência privada

Depois de conhecer as características do investimento em previdência privada, descubra para quem é a modalidade:

Busca retornos no longo prazo

O investimento em previdência privada tem como foco o longo prazo. Uma aplicação de anos permite que os valores aplicados se multipliquem ainda mais devido à incidência dos juros compostos. Lembre-se de que, no curto prazo, as altas alíquotas prejudicam a rentabilidade da previdência.

Quer complementar aposentadoria

Na previdência privada, a ideia é que você garanta um futuro financeiro mais equilibrado e não dependa somente do INSS. Ao resgatar valores, é possível obter renda mensal vitalícia ou por prazo determinado ou fazer um único resgate. Já se você busca por rendimentos imediatos, o ideal é procurar por outros investimentos.

Deseja obter benefícios fiscais

Cabe frisar que o investimento em previdência privada gera benefícios fiscais significativos para o orçamento. É o caso da restituição no PGBL e da alíquota reduzida a 10% no regime regressivo. Assim, ao pagar menos no Imposto de Renda, você garante lucros mais altos.

Procura facilidade de transmissão do patrimônio

A previdência privada também é uma boa opção para quem busca facilidade de transmissão de patrimônio. Afinal, o investimento pode ser usado para herança

Para isso, basta definir um beneficiário, que tem acesso ao saldo da previdência em caso de falecimento do titular. Mas é necessário ficar atento à escolha da forma de renda: ela que define os direitos do beneficiário em cada situação.

E aí, compreendeu como funciona o investimento em previdência privada? Avalie se o seu perfil está alinhado aos benefícios da modalidade antes de fazer aplicações. Compartilhe este artigo se você gostou das dicas.

Recomendados

Investimentos

Qual previdência privada desconta no Imposto de Renda?

...

2 anos atrás

Investimentos

Previdência privada ou LCI: tire suas dúvidas antes de investir

...

2 anos atrás

Investimentos

Previdência privada sem taxa de carregamento existe? Confira

...

2 anos atrás