Fundo imobiliário: como funciona para investir em FIIs

Pensando em investir em um fundo imobiliário? Veja como funciona e mais dicas para aplicar com rentabilidade e segurança.

Ao aprender como funciona um fundo imobiliário, você não só se qualifica para fazer esse investimento, mas abre a oportunidade de ter mais um ativo rentável na sua carteira.

Se gosta da ideia, veio ao lugar certo. Neste texto, vamos mostrar a você o que são os FIIs e como investir nesses ativos.

Além disso, preparamos um guia com as vantagens e riscos dos fundos para que você consiga fazer uma avaliação mais precisa sobre o investimento. Dessa forma, dá para conferir se eles se encaixam em seu perfil de investidor

Siga acompanhando!

Fundo imobiliário: como funciona?

Os fundos de investimentos imobiliários (FIIs) são aplicações financeiras em papéis do mercado de imóveis. Ao comprar FIIs, o investidor se torna cotista de um conjunto de ativos imobiliários.

Um fundo é uma reunião de recursos financeiros administrados por uma gestora de investimentos. Ela, então, reúne os investidores, capta seus recursos e faz a gestão dos ativos.

No caso dos FIIs, os papéis são relacionados ao mercado imobiliário. Assim, o dinheiro investido serve para financiar operações de compra, construção e manutenção de imóveis – como prédios residenciais e comerciais, galpões e lojas.

A remuneração desses papéis se dá pelos aluguéis recebidos dos empreendimentos imobiliários ou pelo pagamento de dividendos do ativo. Dessa forma, o cotista tem retorno com a compra de FIIs através do recebimento proporcional dos aluguéis de imóveis em que investiu ou com os dividendos pagos pelo fundo.

Tipos de fundos imobiliários

Para entender como funciona um fundo imobiliário, precisamos conhecer os seus tipos. E os FIIs podem ser divididos em duas categorias: fundos de tijolo e fundos de papel.

Os fundos de tijolo são investimentos realizados em imóveis reais e remuneram através da renda de aluguel ou venda com lucro. 

Já os fundos de papel são bem diversificados e podem ser encontrados sob os seguintes formatos:

  • Fundos de desenvolvimento imobiliário
  • Fundos de shoppings
  • Fundos de hotéis
  • Fundos de lajes corporativas
  • Fundos de galpões industriais
  • Fundos imobiliários de hospitais
  • Fundos imobiliários educacionais
  • Fundos de agências bancárias
  • Fundos de varejo
  • Fundos de fundos
  • Fundos de compra e venda de imóveis
  • Fundos de recebíveis imobiliários.

Há, ainda, os chamados fundos híbridos: papel e tijolo.

Vale a pena investir em um fundo imobiliário?

Se você ainda não investe em FIIs, pode estar se perguntando: será que realmente compensa comprar e vender ativos do mercado imobiliário? Para que você tenha essa resposta, selecionamos prós e contras do investimento. Depois de considerar estes pontos, faça sua avaliação:

 

Vantagens dos fundos imobiliários

  • Diversificação da carteira de investimentos: você investe em vários ativos imobiliários ao mesmo tempo, reduzindo os custos e riscos e aumentando a rentabilidade
  • Baixos custos: investimento em imóveis com pequenos valores iniciais
  • Gestão qualificada: a gestora do fundo tem a capacidade técnica e expertise para direcionar os investimentos e, então, encontrar as melhores remunerações
  • Praticidade e economia de tempo: a administração da aplicação é realizada pela gestora e você consegue investir em diversos ativos com pouco tempo e de maneira prática.

 

Riscos dos fundos imobiliários

  • Taxas: além dos custos inerentes ao investimento – como taxas e impostos – as gestoras podem cobrar outras taxas, como de administração e performance
  • Riscos de vacância: os fundos que remuneram de acordo com os aluguéis podem sofrer oscilações no pagamento se os imóveis estiverem vazios.

Como escolher um fundo imobiliário

Agora que você já sabe o que é e como funciona um fundo imobiliário, vamos abordar detalhes sobre o processo para escolher e investir. Antes de tudo, considere que um FII é um tipo de aplicação em renda variável. Dessa maneira, não há taxa de rentabilidade fixa sobre o investimento.

Contudo, você pode conferir o histórico de pagamento de dividendos do FII na hora de escolher seu ativo. O número servirá como uma base para você conferir os valores pagos pelo fundo e ter uma noção sobre a remuneração futura.

Além disso, verifique o Dividend Yield (DY) do papel. O DY é uma taxa que representa o valor pago pelo papel sobre a remuneração. O dado é interessante para que você analise o histórico do próprio fundo e faça comparações com papéis semelhantes.

Por fim, junte todas essas informações com os seus interesses investidores. Dessa maneira, avalie a atratividade do fundo de acordo com as suas expectativas de rentabilidade e prazo.

Considere, ainda, o tamanho dos riscos do investimento e se ele está dentro da sua margem de aceitação. Depois disso, basta comprar suas cotas do fundo e acompanhar o desempenho junto à gestora.

Lembre que a instituição financeira é a responsável pela alocação dos recursos nos FIIs. Portanto, tenha atenção ao escolher pela sua gestora de investimentos. Assim, pesquise e escolha cuidadosamente pela empresa que fará a administração das suas cotas nos fundos de investimentos imobiliários.

Para ter mais informações relevantes sobre aplicações financeiras, continue acessando nossos materiais sobre investimentos, além de conhecer as carteiras recomendadas da Capital Research. Com o Plano Premium, você tem acesso a conteúdos exclusivos para investir com mais confiança.

Recomendados

Investimentos

Como investir em fundos imobiliários e diversificar a carteira

Procura diversificar suas aplicações? Veja como investir em fundos imobiliários, ...

2 anos atrás

Investimentos

Fundos de Fundos Imobiliários: quando investir em FOF?

Fundos de Fundos Imobiliários (FOF) geram renda com a compra de outros fundos. ...

2 anos atrás

Investimentos

IFIX: Entenda o Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários

Semelhante ao Ibovespa, indicador aponta o desempenho médio do mercado de fundos de ...

2 anos atrás