VGBL e PGBL: escolha o melhor plano de previdência privada

Está em dúvida entre VGBL e PGBL para investir na previdência privada? Guia responde principais dúvidas e ajuda você a decidir.

VGBL e PGBL são os mais populares planos de previdência privada, um investimento também conhecido como aposentadoria complementar. Mas você saberia dizer qual deles é o melhor para seus objetivos?

A principal diferença entre os formatos está relacionada à tributação do investimento. Por pequenos detalhes, a contribuição com impostos pode ser realmente diferente e tornar um plano mais atrativo do que o outro.

Neste artigo, você vai descobrir o que são VGBL e PGBL na previdência complementar e como escolher o plano ideal para a sua aposentadoria.



O que é VGBL e PGBL?

A previdência complementar é uma maneira de poupar dinheiro e investir no futuro. Através de aportes mensais ou único depósito, você acumula capital e o investimento rende juros sobre o valor aplicado.

Ao final do prazo contratado, é possível sacar o montante sob forma de renda mensal ou resgate total. Se preferir, dá para manter o investimento e fazer retiradas periódicas ou novas aplicações.

Dentro desse contexto, existem diferentes tipos de planos de aposentadoria complementar. O Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL) e o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) são os mais famosos dentre eles.

Quer saber o motivo? Siga acompanhando para se decidir entre VGBL e PGBL.

Como o VGBL funciona?

O Vida Gerador de Benefício Livre é considerado um seguro de vida; mas, na prática, funciona como um plano de previdência. No geral, ele é como qualquer outro investimento em aposentadoria privada. A sua principal característica está relacionada à maneira como a aplicação é tributada.

Assim, o Imposto sobre a Renda (IR) incide apenas sobre os rendimentos do VGBL. Ou seja, de todos valores depositados como previdência complementar, somente os juros serão tributados.

Por exemplo, durante 1 ano, um investidor depositou R$ 20 mil a título de VGBL. Ao fim dos 12 meses, o investimento gerou R$ 500 reais em juros. A alíquota do IR será aplicada somente sobre os R$ 500 apenas.

 

Quando escolher o VGBL?

O VGBL é indicado para pessoas que podem fazer o envio da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda – Pessoa Física (DIRPF) na modalidade simplificada.

Neste formato, não é possível fazer deduções com despesas. Porém, a Receita Federal calcula um desconto de 20% sobre todas as rendas tributáveis. Assim, o investidor que pode fazer a DIRPF simplificada deve optar pelo VGBL.

Características do PGBL

O Plano Gerador de Benefício Livre é um tipo de previdência privada. Da mesma forma que o outro formato, o PGBL se destaca pela questão tributária.

Neste caso, todo o investimento realizado em PGBL é tributado pelo IR. Se um investidor aplica R$ 20 mil em previdência privada e acumula R$ 20,5 mil em um ano, a alíquota do imposto será aplicada sobre todo o montante.

 

Quando o PGBL é a melhor escolha?

Quem deve fazer a DIRPF completa pode optar pelo PGBL com mais benefícios tributários. Isso acontece porque, na declaração completa, é possível deduzir despesas do cálculo do imposto.

O investimento em previdência privada é uma das despesas dedutíveis. Assim, todos os depósitos realizados em PGBL e que não ultrapassem 12% da renda tributável podem ser deduzidos da conta do IR.

Por exemplo, se uma pessoa tem R$ 100 mil em recebimentos, durante um ano, e investiu R$ 12 mil em aposentadoria complementar, pode reduzir este valor do cálculo do imposto. Dessa forma, a alíquota do IR será aplicada sobre R$ 88 mil – em vez dos R$ 100 mil.

VGBL ou PGBL? Como investir em previdência privada

Ter uma aposentadoria confortável e tranquila exige que a gente comece a pensar sobre ela desde agora. Assim, investir em previdência privada é um exercício de planejamento importante em todas as fases da vida.

Antes de tudo, entenda qual seria uma renda adequada para proporcionar a você e sua família um futuro financeiro com tranquilidade. Em seguida, estude todos os formatos disponíveis de previdência complementar. Como vimos, o investimento tem diferentes modelos tanto de contribuição, quanto de resgate.

Além disso, planos como VGBL e PGBL podem alterar a rentabilidade do investimento. Portanto, você deve conhecer seu orçamento e os tipos existentes para entender qual deles será o mais rentável.

Outro ponto de atenção é quanto aos planos e suas condições de recebimento após a morte do seu titular. Ainda que seja um assunto delicado para muitas pessoas, é importante verificar como funciona o resgate do saldo depois que o contratante falece. 

Em alguns casos, por exemplo, o valor restante pode ficar para família, dependentes ou, ainda, para a própria instituição financeira.

Depois disso, avalie as ofertas do mercado. Considere taxas, tarifas, impostos e tudo o que possa afetar seus ganhos com a previdência privada. Apesar de ser uma aplicação com planos de aposentadoria, a previdência é um investimento. Portanto, sua rentabilidade deve ser realmente atrativa.

Por fim, acompanhe os extratos da aplicação, verifique os rendimentos e mantenha sua estratégia de investidor. Lembre-se que contratar VGBL, PGBL ou qualquer outro tipo de plano é um investimento a longo prazo.

Acompanhe os conteúdos e recomendações da Capital Research para ter mais informações sobre investimentos e finanças!

Recomendados

Investimentos

INSS ou Previdência Privada: qual opção vale mais a pena?

Confira tudo o que você precisa saber sobre INSS e previdência privada e como ...

2 anos atrás

Investimentos

Previdência privada: Vale a pena investir? Quais as vantagens?

Confira dicas para saber se investir em previdência privada vale a pena. Saiba o que ...

2 anos atrás

Investimentos

Fundo de Previdência privada: o que é e como investir?

Entenda como funciona um fundo de previdência privada e saiba quais são as ...

2 anos atrás