Tesouro Selic: como funciona e como é o resgate

Quer entender como funciona o Tesouro Selic e para quais situações esse título é recomendado? Confira nosso guia.

Quer entender melhor como funciona o Tesouro Selic? Então você encontrou o artigo certo.

Ao longo das próximas linhas, vamos tirar todas as suas dúvidas sobre o produto de renda fixa mais seguro disponível no mercado.

É verdade que o Brasil não é mais o “paraíso dos rentistas”, com as maiores taxas de juros do mundo. Em 2002, por exemplo, a taxa básica de juros da economia, a taxa Selic, fechou o ano em 23,47%. Em 2020, chegou a 3%.

Isso não quer dizer que a renda fixa morreu. Ela tem lugar garantido em um portfólio diversificado de investimentos, principalmente para garantir uma reserva de emergência.

Mas como comprar e vender Tesouro Selic e como funciona esse título na prática? Quais taxas e tributos são cobrados? Confira as respostas a seguir.

Tesouro Selic: como funciona

O Tesouro Selic funciona como um título de renda fixa qualquer, com retorno atrelado à taxa básica de juros, garantia do Tesouro Nacional e liquidez D+1, isto é, com resgate em um dia útil.

Trata-se de um título emitido pelo Tesouro Nacional, recomendado para quem busca um investimento seguro, de alta liquidez. Faz sentido, por exemplo, para compor a parcela do colchão de emergência, aquela reserva financeira utilizada para eventos extraordinários.

Na prática, ao investir em Tesouro Direto, você empresta dinheiro ao governo e cobra juros por isso. Se for um Tesouro Selic, os juros são da taxa Selic, aquela que baliza todo o mercado de renda fixa e que é definida de forma periódica pelo Comitê de Política Econômica do Banco Central.

Como comprar Tesouro Selic

Investir no Tesouro Selic é simples e fácil.

  • Primeiro você precisa ter conta em uma corretora de valores apta a negociar títulos do Tesouro Direto
  • Uma vez cliente, você acessa o sistema do Tesouro e negocia os títulos (lá tem as informações atualizadas de cada um)
  •  Observe se a corretora cobra taxa para você investir nos Títulos Públicos. Várias instituições isentam o cliente de qualquer custo de administração (há a cobrança de 0,25% de custódia pela B3)
  • No caso do Tesouro Selic, o investimento mínimo é de R$ 106,00.

Tesouro Selic: como funciona para o resgate

O resgate do Tesouro Selic funciona de forma muito simples. A vantagem em relação a outros títulos do Tesouro Direto é a possibilidade de venda antes do prazo de vencimento sem riscos de perda.

Para entender essa questão, lembre-se de que todo título tem um prazo de vencimento, data em que você receberá o dinheiro de volta com juros. Contudo o Tesouro garante a recompra do seu título em qualquer ocasião, mesmo antes do prazo de vencimento.

O problema é que, nos demais títulos da família Tesouro Direto (Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA+), resgates antecipados podem resultar em perdas, dependendo do comportamento da taxa de juros.

No Tesouro Selic, isso não ocorre porque se trata de um título pós-fixado, sem marcação a mercado. Ao solicitar o resgate, o dinheiro cai na conta em (D+1), um dia útil após a solicitação.

Por isso o Tesouro Selic é muito útil para compor a reserva de emergência. Afinal, nunca sabemos quando haverá uma, não é mesmo?

Algumas características do resgate do Tesouro Selic são:

  • Liquidez em D+1, um dia útil após o resgate
  • Rentabilidade atrelada à taxa Selic – com uma leve variação para cima
  • Segurança garantida pelo Tesouro Nacional.

Como funciona a tributação no Tesouro Selic

A tributação do Tesouro Selic funciona em duas dimensões diferentes, a do Imposto de Renda (IR) e a do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). 

  1. Imposto de Renda, cobrado sobre os rendimentos de acordo com tabela regressiva muitos produtos de renda fixa
  2. Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF), cobrado sobre os rendimentos para aplicações com menos de 30 dias.

Ambos os impostos penalizam os resgates de curto prazo e “privilegiam” os investimentos de longa duração.

Imposto Sobre Operações Financeiras

O IOF pode consumir até 96% da rentabilidade do Tesouro Selic, caso o resgate seja feito um dia após a aplicação.

À medida que os dias passam, o imposto vai reduzindo até chegar a 3% aos 29 dias de aplicação. A partir do 30º dia, não há mais cobrança de IOF.

Imposto de Renda

Do Imposto de Renda, não tem como fugir. Com maior ou menor intensidade, ele vai incidir sobre os rendimentos do Tesouro Selic.

A tabela para o Tesouro Direto é regressiva, ou seja, quanto mais tempo você deixar o dinheiro aplicado, menor vai ser a mordida do Leão.

Para aplicações de até seis meses, a alíquota é de 22,5%, percentual que diminui gradativamente até os 15% para investimentos com dois anos ou mais, como no detalhe a seguir:

  • Até 180 dias (6 meses): 22,5%
  • De 181 a 360 dias (6 meses a 1 ano): 20%
  • De 361 a 720 dias (1 ano a 2 anos): 17,5%
  • Acima de 721 dias (2 anos ou mais): 15%.

Entendeu melhor como funciona o Tesouro Selic e está preparado para investir? Se gostou do artigo, compartilhe com seus amigos.

Recomendados

Investimentos

Tipos de Tesouro Direto e as diferenças na rentabilidade

...

2 anos atrás

Investimentos

Tesouro Direto: passo a passo de como investir

O Tesouro Direto é uma opção mais rentável e tão segura quanto a poupança. ...

3 anos atrás

Investimentos

Fundo DI ou Tesouro Direto: o que saber para escolher o melhor

Investidor pode optar por investir em Títulos Públicos de forma direta ou ...

2 anos atrás