Sistema de capitalização: como funciona para se aposentar

Sistema de capitalização é um modelo de poupança no qual o trabalhador contribui com a própria aposentadoria. Entenda as regras.

O sistema de capitalização se tornou mais conhecido com as propostas de Reforma da Previdência no Brasil. Apesar de não ter sido aceito na última mudança legal para a Previdência Social, o modelo é muito utilizado na previdência privada.

Por ele, o contratante acumula dinheiro durante determinado tempo e, ao fim do período contratado, recebe o valor e os seus rendimentos.

Quer saber mais detalhes sobre o sistema de capitalização? Então, acompanhe este artigo até o final!

Sistema de capitalização: o que é?

O sistema de capitalização é bem simples de entender. Ele consiste na acumulação de dinheiro e, geralmente, é utilizado como fundo para a aposentadoria.

Durante todo o tempo em que o valor é depositado, a quantia será reaplicada em outros formatos de investimentos – como em renda fixa e em renda variável. Assim, o volume capitalizado vai render juros de acordo com o tipo de aplicação escolhida e as taxas de juros praticadas.

O conceito ficou bastante conhecido recentemente, pois o governo brasileiro chegou a cogitar trocar o atual regime de repartição simples na Previdência Social para o de capitalização.

Mas a proposta não foi aprovada durante a Reforma da Previdência. Assim, o INSS – Instituto Nacional do Seguro Social – continua pagando benefícios de seguridade social aos contribuintes inativos utilizando os recursos pagos pelos ativos.

Ainda que não seja usada pelo INSS, a capitalização é muito empregada pelos planos de previdência privada.

Como um sistema de capitalização funciona

Capitalizar é como poupar dinheiro e reinvestir em outras aplicações. Dessa forma, um plano de capitalização capta recursos dos contratantes e realoca o valor em investimentos rentáveis. Então, a quantia investida renderá juros até que o investidor resgate o montante investido.

A capitalização pode ser simples – quando os juros apenas são calculados sobre o montante inicial –, ou composta. Nesse último caso, os juros rendem em cima do valor aplicado e sobre os juros acumulados.

Geralmente, o sistema de capitalização é utilizado com fins de aposentadoria. Ou seja, o contratante faz um aporte inicial, aportes mensais ou ambos os tipos de depósitos e recupera o valor investido assim que desejar se aposentar.

Nessa fase da vida, ele pode resgatar ou reinvestir o dinheiro aplicado e, junto a ele, todos os rendimentos gerados. Assim, quanto maiores os aportes e as taxas de remuneração oferecidas pelo sistema de capitalização, maiores serão os ganhos durante a aposentadoria.

Prós e contras do sistema de capitalização

Com as recentes discussões a respeito da Reforma da Previdência e a adesão ou não à capitalização pelo INSS, ficaram algumas dúvidas sobre os prós e contras do sistema. Confira, a seguir, quais são as principais vantagens e desvantagens de capitalizar o dinheiro investido:

 

Vantagens

  • Quanto maior o investimento, maior o retorno: assim, o resgate será proporcional ao esforço de poupança realizado durante o período de acumulação
  • Você é o responsável pela sua aposentadoria: por isso, o valor capitalizado será utilizado apenas para a sua própria utilização, não escoando para outras pessoas
  • Rentabilidade atrativa: o sistema de capitalização vai fazer o dinheiro render juros de verdade.

 

Desvantagens

  • O valor da aposentadoria deve ser muito bem avaliado: sem planejamento adequado, o recebimento pode ficar comprometido. Portanto, é necessário calcular muito bem o valor desejado como aposentadoria futura para conseguir capitalizar o suficiente com o seu orçamento atual.
  • Há custos com gestoras da capitalização: enquanto o benefício concedido pelo INSS, por exemplo, tem descontos mensais entre 8% e 11% do salário, a previdência privada que utiliza o sistema de capitalização pode cobrar taxas específicas. Assim, é preciso avaliar todos os gastos com a gestora do plano.

Sistema de capitalização na previdência privada

Como vimos, a capitalização é muito utilizada nos planos de aposentadoria complementar. Dessa maneira, o investidor faz aportes recorrentes na modalidade escolhida durante o período de acumulação.

Chegando ao fim do prazo de depósito, ele tem direito a resgatar (ou reinvestir) todo o saldo capitalizado. Isso inclui os depósitos realizados e os rendimentos gerados durante o tempo.

A previdência privada pode ser aberta ou fechada e deve ser administrada por uma instituição devidamente autorizada pelo governo. Os planos abertos são disponibilizados ao público em geral e os formatos mais conhecidos são o VGBL e o PGBL.

Já a aposentadoria complementar fechada – também conhecida como fundos de pensão – é ofertada apenas a determinados grupos, como funcionários de uma empresa ou associados a uma entidade de classe.

Assim, a previdência privada é uma maneira de poupar para os dias de aposentadoria e investir, de forma simultânea. Afinal, o valor vai se acumulando e rendendo juros ao mesmo tempo. Então, o sistema de capitalização nos planos previdenciários complementares faz o seu dinheiro render até o momento do resgate.

Quer conhecer mais sobre a previdência privada e outras formas de investimento de longo prazo? Acesse os conteúdos exclusivos e gratuitos da Capital Research e informe-se!

Recomendados

Investimentos

Capitalização composta: o que é, exemplos e como aproveitar

...

3 anos atrás

Investimentos

Capitalização simples: entenda o conceito e impactos nos investimentos

Saiba mais sobre a capitalização simples, como calcular e qual sua utilidade para o ...

3 anos atrás

Investimentos

Investir na aposentadoria: conheça as 5 melhores aplicações

...

2 anos atrás