Seguro prestamista: funcionamento, quando é cobrado e valores

Descubra como funciona o seguro prestamista, fatores que influenciam na cobrança e quando geralmente é cobrado.

O seguro prestamista é uma garantia extra na hora de obter crédito ou financiamentos por meio de instituições financeiras. Com ele, você tem a segurança de que o saldo será quitado mesmo que esteja impossibilitado de pagar a dívida.

O credor também tem a garantia de que não sofrerá os impactos da inadimplência. Se o cliente deixar de pagar, quem deu o crédito recebe a indenização. Portanto, esse recurso atua como uma via de mão dupla que beneficia os dois lados.

Mas como funciona o seguro prestamista e quais fatores interferem no valor que você paga por ele? Em quais situações ele geralmente é cobrado? Fique atento às linhas a seguir e descubra.

Como funciona o seguro prestamista

Seguro prestamista é uma modalidade de seguro destinado à quitação total ou parcial do crédito obtido pelo segurado caso ele esteja impossibilitado de pagar a dívida.

Assim, esse seguro pode ser acionado em casos específicos: morte, invalidez temporária ou permanente, desemprego inesperado ou perda de renda do segurado.

O credor é o primeiro beneficiário do seguro prestamista. Ou seja, a instituição financeira que concedeu o crédito. Se o segurado para de pagar, o credor tem a garantia de recebimento dos valores por meio da seguradora e evita a inadimplência.

Por outro lado, o segurado também tem uma garantia. Com o seguro, respeitadas as condições estabelecidas em contrato, ele tem a segurança de que a dívida será quitada em caso de morte ou invalidez total.

O que influencia no valor do seguro prestamista?

O valor do seguro prestamista varia conforme diferentes fatores. Ele depende do valor do bem adquirido ou crédito, prazo de pagamento e idade do segurado.

Seguindo essa lógica, o preço do seguro prestamista do financiamento de um automóvel será menor em relação ao custo do financiamento de uma casa, por exemplo. Já uma dívida de seis meses terá um seguro prestamista mais barato do que uma dívida com prazo superior a 24 meses.

Por fim, um idoso que recorre a uma operação de crédito pagará mais do que um jovem, já que ele apresenta maiores riscos de vida devido à idade avançada.

Então, tenha em mente que o cálculo do seguro prestamista é realizado para cada caso individualmente e, portanto, pode variar bastante. A vantagem é que, especialmente em financiamentos longos, esse tipo de seguro costuma não pesar no bolso.

Isso porque ele é feito de forma coletiva: um grupo de pessoas faz pagamentos para criar uma reserva financeira para o caso de alguém precisar acionar o seguro. Afinal, nem todas as pessoas vão realmente precisar do recurso.

Dessa forma, os valores são mais baixos. Além disso, o preço total é pago em prestações, o que permite diluir o valor sem ter um adicional significativo na parcela da dívida.

Quando o seguro prestamista é cobrado

O seguro prestamista geralmente é cobrado em financiamentos, como é o caso de crédito para compra de imóveis.

Isso ocorre porque os financiamentos são operações de crédito de longo prazo e que envolvem valores maiores. Sendo assim, as instituições financeiras exigem o seguro prestamista a fim de se proteger contra a inadimplência.

Outras operações de crédito em que é possível contratar o seguro prestamista incluem:

  • Cheque especial
  • Cartão de crédito
  • Consórcio
  • Empréstimo consignado.

Em todo caso, é sempre importante ler com atenção as cláusulas do contrato da instituição financeira para verificar se o seguro prestamista é obrigatório. Caso seja opcional, é você quem escolhe se deseja ou não ter acesso a esse recurso.

Quem é o beneficiário do seguro prestamista?

O primeiro beneficiário desse seguro é o credor. Dessa forma, a instituição financeira que concede o crédito se protege contra os efeitos financeiros da inadimplência de clientes.

Caso o contratante do seguro deixe de pagar a dívida em decorrência de morte, invalidez ou outra condição estabelecida em contrato, a instituição recebe a indenização do seguro, que é limitada ao valor contratado. Por isso, a quitação do crédito pode ser parcial ou total.

Tudo bem, mas por que você deveria contratar o seguro prestamista se o principal beneficiário é a instituição financeira? É que, de qualquer forma, você também tem acesso a uma garantia: a de que sua dívida será quitada caso seja impossibilitado de pagar as parcelas naqueles casos estipulados em contrato.

Imagine o caso de alguém que financia uma casa para a sua família e sofre um acidente fatal. Nessa terrível situação hipotética, os familiares não têm que arcar com o custo do imóvel, pois este será quitado pelo acionamento do seguro prestamista.

E aí, ficou mais claro como funciona o seguro prestamista? Se você ficou com alguma dúvida, deixe nos comentários abaixo. Se as dicas foram úteis, curta este artigo.

Recomendados

Investimentos

Risco de Liquidez: o que é e como manter seus investimentos seguros

Descubra como lidar com o risco de liquidez em seus ...

3 anos atrás

Investimentos

Fundo de renda fixa: dicas para avaliar e investir

Um fundo de renda fixa reúne segurança e boa rentabilidade para o investidor ...

2 anos atrás

Investimentos

Investir no Tesouro Direto vale a pena? Descubra

Investir no Tesouro Direto pode garantir bons rendimentos em renda fixa com ...

2 anos atrás