Investir no Tesouro Direto vale a pena? Descubra

Investir no Tesouro Direto pode garantir bons rendimentos em renda fixa com segurança e liquidez. Veja por que vale a pena.

Investir no Tesouro Direto pode ser uma excelente alternativa para quem busca flexibilidade, segurança e liquidez. 

Essa modalidade oferecida pelo Tesouro Nacional é conhecida como uma das aplicações mais seguras do mercado e seus rendimentos ganham destaque na renda fixa.  

Se você quer construir patrimônio com baixo risco e tem uma visão de longo prazo dos investimentos, vale a pena considerar os títulos públicos na sua carteira. Além disso, você vai ver como é simples investir no Tesouro Direto e quais cuidados tomar para alcançar seus objetivos.

Continue lendo e veja se o Tesouro Direto é para você. 

Por que investir no Tesouro Direto 

Investir no Tesouro Direto significa participar do programa de vendas de títulos públicos do Tesouro Nacional — um investimento que vem chamando a atenção dos brasileiros. 

Veja alguns motivos para comprar títulos do governo. 

1. Maior segurança no investimento

O Tesouro Direto é considerado uma das aplicações de menor risco do mercado. Ao adquirir um título, você está emprestando dinheiro para o Tesouro Nacional, com risco de crédito soberano.

Mesmo durante crises e momentos de incertezas, o Tesouro permanece um porto seguro para quem quer construir patrimônio em longo prazo. 

2. Rentabilidade superior à poupança

Em relação à rentabilidade, o Tesouro Direto apresenta um retorno superior à poupança e é um dos mais procurados por investidores de perfil conservador, que preferem ativos de renda fixa. 

Seus títulos oferecem três tipos de rentabilidade: atrelados à inflação, vinculados à taxa básica de juros —  a Taxa Selic — e prefixados com taxa de juros anual.  

3. Liquidez diária

Outra vantagem importante do Tesouro Direto é a liquidez diária dos títulos, que podem ser vendidos a qualquer momento dentro do horário de negociações. No entanto, é preciso ficar atento ao resgate antes do prazo de vencimento para os títulos prefixados e atrelados à inflação, pois o ganho ou perda estará associado ao valor de mercado do título no momento da venda. 
 

4. Flexibilidade

Os títulos do Tesouro Direto apresentam diferentes tipos de rentabilidade, prazos de vencimento e fluxos de remuneração. Logo, se adequam a diferentes objetivos e necessidades, trazendo mais flexibilidade para o investidor. 

Cuidados ao investir no Tesouro Direto 

Embora seja um investimento de baixo risco, o Tesouro Direto também requer alguns cuidados na hora de comprar títulos. Confira os principais pontos de atenção.

Escolha o título mais adequado

Antes de investir no Tesouro Direto, você deve ter clareza sobre seus objetivos para escolher o título correto. Hoje, são três opções:

  • Títulos prefixados: são títulos com taxa de juros fixa, que permitem saber exatamente quanto você receberá no vencimento
  • Tesouro Selic: títulos pós-fixados atrelados à Taxa Selic, ideais para reserva de emergência
  • Tesouro IPCA: títulos com rentabilidade atrelada à inflação, medida pelo IPCA, indicados para aplicações de longo prazo.

Preste atenção às taxas

Ao investir no Tesouro Direto, você também deve conferir as taxas e custos cobrados pelo banco ou corretora. De modo geral, não é cobrada taxa de administração para os investimentos em títulos públicos — apenas a taxa de custódia da própria B3. 

Verifique a marcação de mercado

Com a negociação constante dos títulos do Tesouro Direto, o valor dos ativos varia conforme os movimentos do mercado. Logo, ocorre a chamada marcação de mercado, ou seja, a correção dos títulos conforme seu preço no dia. 

Por isso, é preciso ficar atento às correções diárias dos títulos pós-fixados, para aproveitar possíveis oportunidades de vender seu ativo antes do vencimento em um momento de valorização.  

Como investir no Tesouro Direto 

duas maneiras de investir no Tesouro Direto: participar de um fundo que aplique nos títulos públicos ou comprá-los diretamente no site ou app do Tesouro Direto. No primeiro caso, o gestor do fundo fica responsável pela compra dos ativos. Já no segundo, você mesmo pode adquirir os títulos, desde que tenha uma conta em banco ou corretora habilitada.

Ao abrir sua conta em uma corretora, você terá também uma conta aberta na BM&FBovespa, e poderá acessar o sistema do Tesouro Direto utilizando seu CPF e senha recebida. Na plataforma, que funciona das 9h30 às 18h, você poderá comprar um dos títulos disponíveis e acompanhar seus investimentos atuais — tudo 100% online e sem complicação. 

Além disso, o sistema permite realizar investimentos, reinvestir seus rendimentos, fazer agendamentos e realizar o resgate a qualquer momento. Dessa forma, você mesmo pode gerenciar seus ativos e monitorar o desempenho dos títulos.

Então, se você estiver buscando segurança e liquidez com retornos superiores à poupança,  o momento é propício para investir no Tesouro Direto. Para saber quanto investir em renda fixa e quais títulos escolher, assine um plano da Capital Research e tenha acesso a recomendações exclusivas de investimentos, além de uma carteira completa e balanceada.

Recomendados

Investimentos

5 sites de notícias para acompanhar o mercado

Buscar informações atualizadas e confiáveis é fundamental para entender as ...

2 anos atrás

Investimentos

6 dicas para ficar rico: você também pode alcançar a riqueza!

Confira uma lista com 6 dicas para ficar rico combinando economia de despesas, renda ...

2 anos atrás

Investimentos

7 dicas para você investir sem medo

Quer investir, mas não sabe por onde começar? Confira nossas dicas para perder o ...

2 anos atrás