Monopólio e Oligopólio: o que é e quais as principais diferenças?

Entenda como funcionam essas duas estruturas e como elas afetam o mercado e os consumidores.

Monopólio e Oligopólio

Se você possui alguma familiaridade com o meio econômico, provavelmente já ouviu falar em monopólio e oligopólio. Mas será que você sabe realmente o sentido dessas palavras e o que elas representam? Continue lendo esse artigo e saiba o que são e como se formam essas estruturas de mercado, quais são as diferenças entre elas e como elas podem afetar a economia.

 

 O que são monopólios?

O monopólio e o oligopólio são dois tipos de estruturas de mercado que, apesar de apresentarem relação entre si, se referem a estruturas diferentes.

O termo “monopólio” é uma palavra derivada do grego monos, que significa “um”, e polein que significa “vender”. Nesse tipo de estrutura, uma única empresa tem o controle sobre a venda de um determinado produto ou serviço, podendo, assim, definir os preços que desejar, uma vez que não existe concorrência.

Esse tipo de estrutura geralmente ocorre em casos específicos,

  • Regulamentação: Quando o próprio governo, através de leis, determina quem poderá explorar determinado mercado e como;
  • Economia de escala: Quando uma empresa dominante no mercado cria uma série de barreiras com a finalidade de impedir a entrada de concorrentes;
  • Patente: Quando uma empresa possui o domínio de uma determinada tecnologia, garantindo assim sua exclusividade sobre um mercado;
  • Insumos: Quando a empresa em questão possui a propriedade de uma determinada matéria prima que seja essencial para aquele mercado;
  • Lobby: Se dá quando grandes grupos econômicos exercem influência sobre os governos e pressionam pela elaboração de políticas que os favoreçam.

Justamente por não haver concorrência, o monopolista age como “dono” do mercado, tendo o poder de impôr o preço de sua mercadoria e promover altas nos preços, diminuindo subitamente a produção, para alavancar ainda mais os seus lucros. Ele também não sente a necessidade de se adequar para melhor atender as necessidades dos seus clientes. 

A única coisa que limita o valor cobrado pelos produtos em um monopólio, quando não existe nenhum tipo de regulamentação, é o próprio poder de compra do consumidor. Esse tipo de estrutura é portanto considerada prejudicial aos consumidores, que são incapacitados de exercer o seu poder de escolha e se torna refém do monopolista.

 

Exemplos de Monopólio

Temos como exemplo de monopólio regulamentado o caso da Petrobrás no Brasil. A empresa atua em toda a cadeia de óleo e gás, sendo ao mesmo tempo detentora de poços de petróleo, refinarias e também distribuidoras.

 

Oligopólio

O termo Oligopólio é derivado do grego oligoi, “poucos”, e polein, “vender”. Nesse tipo de estrutura, um pequeno grupo de empresas possui a maior parcela de um determinado mercado, sendo o principal fornecedor de um produto ou serviço e gerando o que chamamos de uma “concorrência imperfeita”.

É geralmente dentro dessas estruturas que surgem os chamados cartéis, em que as empresas detentoras de um produto ou serviço se reúnem para fixar preços que sejam lucrativos para todos os detentores desse mercado, gerando assim um cenário muito parecido com o do monopólio.  A concorrência, nesses casos, se dá muito menos em razão dos preços, mas em questões como qualidade dos produtos, questões organizacionais, e fidelização dos consumidores.

As estruturas de oligopólio também costumam construir barreiras econômicas ou manipular preços de forma que empresas menores ou regionais não consigam competir com as dententoras do mercado.

 

Exemplos de Oligopólios

Embora não sejam ilegais, os oligopólios sofrem uma série de resistências, uma vez que são considerados prejudiciais aos consumidores, que se vem sempre reféns dos mesmos produtos. É comum que países de economia mais liberal tenham regras e regulamentações para dificultas a formação de oligopólios. Geralmente nesses países a regulamentação trabalha de forma que existam condições para que concorrentes de menor expressividade tenham uma chance dentro do mercado.

Mesmo assim os oligopólios, dentro de um contexto de economias globalizadas, se encontram cada vez mais presentes, representados por companhias globais e holdings que exercem domínio quase que completo sobre determinados mercados. 

Na industria alimentícia, por exemplo, cerca de 70% da produção está sob o controle de um mesmo grupo de empresas. Estudo publicado em 2017 mostra que o cenário é similar no mercado de sementes e pesticidas, dominado por apenas sete empresas. 

No Brasil, talvez o maior exemplo de oligopólio seja o do mercado de telecomunicações, no qual pouquíssimas empresas controlam a disponibilização dos serviços. O mesmo se estende para a telefonia móvel, no qual um seleto grupo de empresas disponibilizam os serviços. Também podem ser citados oligopólios nos setores de comunicação, construção civil e transporte público.

Gostou do artigo? Então asssine a newsletter da Capital Research e receba atualizações sobre investimentos todos os dias.

Recomendados

Investimentos

Cálculo da TIR: como usar a Taxa Interna de Retorno

O cálculo da TIR é mais uma ferramenta que você pode utilizar para escolher os ...

3 anos atrás

Investimentos

Bolsa de Valores: o que é, qual sua importância e 5 razões para investir

A Bolsa de Valores pode ser uma maneira de aumentar a rentabilidade dos seus ...

3 anos atrás

Investimentos

Bens inferiores: o que são, principais conceitos e exemplos práticos

Neste artigo, exploramos como são caracterizados os bens inferiores, os desafios de ...

3 anos atrás