Long & short: o que é, como funciona e exemplos de operação

Long & short é um tipo de operação que envolve a compra de um ativo e a venda de outro. Tire suas dúvidas sobre o tema.

Long & short é um tipo de operação que pode ser muito interessante e lucrativa para ampliar os horizontes de quem está dando os primeiros passos na bolsa de valores. Como qualquer outra movimentação em renda variável, requer muito cuidado e uma boa análise.

Nesse caso, é bom ter cautela em dose dupla, já que estamos falando de uma operação com duas pontas, a “long” e a “short”. A ideia por trás do long & short é bem simples: comprar e vender ao mesmo tempo, apostando na alta de um ativo e na queda de outro.

Já ouviu falar?

Ou sabe o que é, mas não está muito familiarizado com os detalhes na prática? Então, acompanhe o texto para saber mais sobre long & short.

O que é long & short

Long & short é uma operação muto popular na bolsa de valores. No mercado financeiro, long é sinônimo de compra, e short é o mesmo que venda. O investidor “entra comprado” numa ação e “vendido” em outra, ao mesmo tempo.

O objetivo é equilibrar uma posição para que ela conte com a melhor assimetria de retornos. Se as duas ações subirem, é necessário que aquela que ele comprou suba mais do que aquela que vendeu.

Nesse caso, somando o ganho e a perda, ainda teria lucro. Da mesma forma, se as duas caírem, o investidor precisa que aquela em que ele está vendido (short) baixe mais do que a que ele está comprado (long).

Caso contrário, é perda.

Mas como isso é feito na prática?

Como funciona o long & short

Assim como em qualquer operação envolvendo ações, tudo começa com uma boa análise.

Quando o investidor, baseado em seus estudos ou de profissionais de confiança, identifica uma tendência para ser aproveitada em long & short, ele escolhe duas ações, preferencialmente do mesmo ramo.

Dois bancos, ou duas empresas de tecnologia, ou duas estatais, ou duas redes de varejo etc. Ou então dois ativos de uma mesma empresa.

Muita gente opera long & short com a ação preferencial (PN) contra a ordinária (ON) de uma companhia. Também é possível escolher uma ação e um índice, como o IBOV, ou um índice contra outro índice.

Para que o investidor venda a descoberto, ele paga um valor pelo aluguel das ações que ele não tem para depois poder vendê-las. Com esse crédito, pode comprar o outro ativo.

Mesmo com todo o cuidado, é importante lembrar que o risco de prejuízo ainda assim é real. A corretora vai exigir do cliente alguma garantia, que pode variar dependendo da instituição e dos ativos dos quais o investidor dispõe em carteira.

Exemplos de long & short

Vamos ver alguns exemplos práticos de long & short:

 

Correção do mercado

Digamos que você detectou uma diferença incomum entre as ações da Azul e da Gol, duas companhias aéreas que costumavam caminhar na mesma direção (exemplo hipotético, e não um fato).

Nesse exemplo, as ações da Azul dispararam recentemente, e as da Gol ficaram estagnadas. A tendência é que elas voltem a se “encontrar” na sequência.

Então você compra ações da Gol e vende as da Azul, ao mesmo tempo. Você teria lucro caso as cotações das duas ações subissem, desde que as da Gol subissem mais, o que seria a suposta tendência.

O resultado também seria positivo para você caso as duas caíssem, desde que as da Azul despencassem mais.

Por fim, o lucro seria dobrado no afortunado caso de as da Gol subirem e as da Azul caírem.

 

Exemplo B

Também é possível fazer long & short fora do mesmo setor.

Suponhamos que exista uma mudança de cenário prevista, como uma queda ainda maior nas taxas de juro, ou uma alta ainda mais intensa do dólar, ou a apresentação de um novo plano do governo.

Sabendo que determinado setor se beneficia daquela novidade e outro se prejudica, você pode fazer long em uma estatal, digamos, e short em uma empresa de telecomunicações ou qualquer ramo aparentemente distinto, mas que pode ser afetado pela mesma notícia.

Enfim, são infinitas as possibilidades, e esse tipo de cálculo exige experiência, planejamento e conhecimento do mercado.

É seguro fazer long & short?

Nenhuma operação no mercado de renda variável é 100% segura.

O long & short é uma opção interessante para aumentar o repertório de um investidor que já está no mínimo ficando familiarizado com a bolsa de valores e quer diversificar suas chances de ganho, mas envolve risco.

É preciso muito estudo e uma estratégia de redução de perdas. Nesse sentido, é sempre aconselhável usar o stop loss, a ferramenta que limita automaticamente o tamanho de um possível prejuízo na operação.

Também se recomenda, antes disso, procurar a ajuda de profissionais confiáveis, como os da Capital Research, empresa que veio para democratizar o acesso do brasileiro ao mundo dos investimentos.

Com a Capital Research, você vai aprender mais sobre esse e outros assuntos, identificar o seu perfil de investidor e montar uma estratégia adequada e a mais segura possível para alcançar os seus objetivos.

Gostou das dicas? Deixe um comentário e compartilhe nas suas redes sociais.

Recomendados

Investimentos

Ajuste de avaliação patrimonial: o que é e como fazer

Ajuste de avaliação patrimonial é uma operação contábil que revela o real valor ...

3 anos atrás

Investimentos

Como comprar ações: 6 dicas para quem quer ingressar nesse mercado

...

3 anos atrás

Investimentos

Custo de produção: como calcular para investir melhor

Entenda melhor sobre os gastos e custos de produção e como calculá-los para ...

3 anos atrás