IOTA: conheça a criptomoeda e saiba como comprar

Entenda o funcionamento da IOTA, a criptomoeda que será o principal meio de pagamento entre os aparelhos inteligentes no mundo da Internet das Coisas (IoT).

iota

A IOTA ou MIOTA é o nome de uma criptomoeda desenvolvida em 2015, que não possui taxas de negociação, blocos ou mineração, pois utiliza um sistema próprio.

Ela se relaciona diretamente ao conceito da Internet das Coisas (IoT), a tecnologia dos aparelhos inteligentes, que estão cada vez mais presentes em nossas vidas — smartphones, devices, carros, eletrodomésticos, iluminação etc.

A IOTA foi desenvolvida para se constituir como a principal forma de pagamento nos ambientes da IoT. E é fundamental entender a constituição dessa criptomoeda para encará-la como uma opção de investimento nesse mercado tão efervescente ao redor do mundo.

Antes de entender, especificamente, a IOTA em si, é importante fazer uma breve introdução ao conceito de Internet das Coisas e suas possibilidades no presente e futuro.

O que é IoT?

Assunto do momento, IoT é a sigla em inglês para o conceito de Internet das Coisas. Em linhas gerais, trata-se da tecnologia de comunicação máquina a máquina, que possibilita que objetos participem dessa dinâmica, por meio da internet.

Para explicar de forma ainda mais simplificada, essa comunicação se dá através de dispositivos e sensores, que enviam e recebem dados, possibilitando a interação e as tarefas programadas com uso dessa tecnologia.

Para utilizar um exemplo do dia a dia, uma casa que tenha recursos de IoT em seu interior pode utilizar informações de histórico de uso do ar condicionado ou aquecedor, em conjunto com sensores, para estabelecer que, toda vez que o morador entre no recinto, ele se adeque à temperatura mais agradável.

Na atividade rural, recursos de Internet das Coisas já estão nos sistemas automáticos e inteligentes de irrigação e monitoramento das etapas do plantio.

O nascimento da IOTA

É nesse contexto da IoT que nasce a IOTA. A criptomoeda foi desenvolvida por Serguei Popov (professor da Unicamp), Dominik Shienere, David Sønstebø e Sergey Ivancheglo em um modelo Open source, ela não utiliza a tecnologia blockchain e oferece transações sem custo, em qualquer valor que esteja na movimentação.

Nesse contexto de extremo crescimento da IoT, a expectativa é que o número de aparelhos inteligente passe de 11 bilhões (2018) para 20 bilhões no ano de 2020.

A função (ou ao menos o desejo) da IOTA nesse contexto de ascensão é a de ser o principal meio de pagamento desses aparelhos com Internet das Coisas. Dentre as possibilidades citadas estão, por exemplo, alugar um filme na TV, fazer compras ou abastecer seu veículo.

Benefícios da IOTA

Seus maiores benefícios estão no fato de não ter taxas adicionais cobradas para enviar ou receber. Por não utilizar blockchain, essa criptomoeda foge de um sistema pesado e, também, de suas versões mais leves, que costumam ser opções que não oferecem total segurança.

A moeda digital não tem mineradoras ou blocos.

Leia também: Investimento a curto prazo: o que você precisa saber para começar?

Entenda a diferença entre a IOTA e o Bitcoin

O Bitcoin foi a primeira criptomoeda do mundo e está baseada nessa rede descentralizada, desenvolvida por Satoshi Nakamoto, chamada Blockchain. A essência dessa moeda digital (e de muitas outras criptomoedas) é a independência de bancos, governos ou grandes corporações para a movimentação do dinheiro.

Minerar bitcoins é uma das maneiras para adquirir essa criptomoeda, comprando um computador específico para esse fim e utilizando sua potência para essa rede. A cada bloco de mineração, o usuário é recompensado com bitcoins.

Esse é um processo que consome energia elétrica — e o custo dela interfere diretamente na viabilidade da mineração.

A IOTA não usa  o Blockchain e, portanto, não utiliza mineradoras. O recurso utilizado pela moeda da IoT opera em uma arquitetura baseada em livros contábeis, que têm sua distribuição em uma tecnologia chamada Tangle.

Nesse ecossistema, a IOTA possibilita transações mais rápidas, uma agilidade que aumenta em paralelo ao número de usuários. Por fim, o atrativo da criptomoeda em comparativo com a pioneira bitcoin está no fato de as transações não serem cobradas. Gratuitas e com simplicidade, pequenas transações são realizadas de forma ágil, quantas vezes o usuário tiver interesse.

Como comprar e investir em IOTA no Brasil

Para comprar ou investir em IOTA é importante entender que, geralmente, a moeda digital é negociada em MIOTA, que é o termo que define milhões de IOTAs. Esse costuma ser o termo utilizado nas casas de câmbio que a negociam.

Comumento, por segurança e facilidade, consultores costumam indicar a compra da IOTA nas exchanges internacionais.

Para compras nacionais, com a moeda brasileira, a indicação — também atendendo a questões de viabilidade e segurança — é realizar a compra em Bitcoin e, em seguida, efetuar a troca por IOTA em casas de câmbio.

Quer se manter atualizado sobre as novidades de investimentos? Então cadastre-se na Capital Research e chegue na frente!

Recomendados

Investimentos

Ação Vale: saiba as informações principais e o que pode afetar em seu valor

Conheça mais sobre a VALE3, código das ações da Vale, e entenda quais fatores ...

3 anos atrás

Investimentos

Call de Fechamento: o que é, como funciona e como participar

Aprenda o que é a call de fechamento do pregão da bolsa de valores, como funciona e ...

2 anos atrás

Investimentos

Capital subscrito: entenda o que é e como analisar

Já ouviu falar em capital subscrito, mas não tem certeza de como ele funciona na ...

2 anos atrás