TLP: conheça a Taxa de Longo Prazo do BNDES

A TLP, ou Taxa de Longo Prazo, serve como base para o cálculo de financiamentos e empréstimos pelo BNDES. Saiba tudo sobre ela

Se você ainda não sabe como funciona a TLP, Taxa de Longo Prazo, é bom se acostumar com ela. Isso vale especialmente a quem recorre ao BNDES, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, conhecido por liberar recursos financeiros de maneira facilitada às empresas.

A TLP é calculada justamente para promover o acesso mais barato ao crédito empresarial. Sua fórmula foi remodelada em 2018 e apresenta novidades na maneira para se chegar aos valores. Descubra, neste artigo, o que mudou e o quanto de juros pode ser cobrado em um próximo empréstimo que deseja contratar.

O que é TLP – Taxa de Longo Prazo?

Qualquer linha de crédito cedida pelos agentes financeiros é formada por diversos componentes. Assim, os empréstimos feitos aos tomadores são realizados com custos – os juros.

Com o BNDES, não seria diferente. Mesmo que criado para fomentar o desenvolvimento sustentável e competitivo do Brasil, o banco cede recursos financeiros para organizações mediante a cobrança de uma taxa de juros.

Em linhas gerais, a ideia da TLP é compor a inflação ocorrida mais a taxa de juros real.  Assim, ela consegue cobrir o aumento continuado dos preços somado às remunerações bancárias e tarifas financeiras.

O Banco Central (Bacen) é o responsável pela divulgação da TLP e deve fazê-lo sempre no último dia útil do mês anterior à aplicação. Por exemplo, até o prazo limite de novembro, o banco deve divulgar a taxa de longo prazo referente a dezembro. A TLP se manterá vigente por todo o contrato. Por isso, é fundamental ficar de olho nas publicações mensais do BC sobre a taxa.

Qual a diferença entre TJLP e TLP?

Até 2018, a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) era o valor de referência para o cálculo dos juros aplicados sobre os empréstimos.

A Lei nº 13.483/2017, no entanto, alterou a remuneração de bancos.

A partir de 1º de janeiro de 2018, a TLP (Taxa de Longo Prazo) passou a vigorar e a ser, então, a taxa de juros das linhas de crédito do BNDES. Ou seja, ela começou a valer para todos os contratos assinados com o banco daquela data em diante.

É importante esclarecer que as linhas de crédito tomadas com a TJLP ainda consideram as suas regras. Contudo, todas as demais que foram acordadas com a TLP devem respeitar as novas regras. Assim, como já explicado antes, empréstimos do BNDES feitos com a taxa de longo prazo levarão a mesma taxa de juros até o fim do contrato.

Para que serve a TLP

A principal função da TLP é abranger todos os custos bancários com a operação, remunerar o BNDES e demais instituições envolvidas e, é claro, cobrir a inflação do período. Para isso, o BNDES utiliza um cálculo elaborado que consegue abarcar seu custo financeiro (de captação), operacional e o spread de risco do agente financeiro.

Leva em consideração, ainda, dados como a inflação dos últimos períodos. Como envolve tantos números diferentes, seu complexo cálculo demanda bastante atenção a uma série de dados – como veremos logo à frente.

Como calcular a Taxa de Longo Prazo?

A fórmula de cálculo da TLP é grande e, à primeira vista, pode até assustar. Mas, pode ficar tranquilo que vamos comentar etapa por etapa da definição da taxa. Para começar, lembre que a TLP é formada para cobrir custos de inflação, remuneração de bancos e outras tarifas.

Então, o valor pago pelo tomador do empréstimo pode ser assim calculado:

  • Juros = Saldo Devedor x (Fator Juros – 1).

O fator juros, por sua vez atende ao seguinte:

  • Fator Juros = Fator TLP x Fator Spread.

O Fator TLP, como vimos, reúne os custos para a operacionalização das linhas de créditos do BNDES e pode ser assim calculado:

  • Fator TLP = IPCA x Taxa Pré-Fixada.

 

Fórmula TLP

Reunindo todos esses “micro-cálculos” dentro de uma mesma fórmula, chegamos à seguinte conta:

Seus componentes são os seguintes:

  • TLP i,m = taxa de longo prazo
  • Π m-2 = IPCA relativo ao segundo mês anterior ao mês de referência m
  • ndup = número de dias úteis entre o dia 1º (inclusive) e o dia 15 (exclusive) do mês de referência m
  • ndmp = o número total de dias úteis entre o dia 15 do primeiro mês anterior ao mês de referência m (inclusive) e o dia 15 do mês de referência m (exclusive)
  • Π m-1 = IPCA relativo ao primeiro mês anterior ao mês de referência m
  • ndus = número de dias úteis entre o dia 15 (inclusive) e o último dia (inclusive) do mês de referência m
  • ndms = número total de dias úteis entre o dia 15 do mês de referência m (inclusive) e o dia 15 do primeiro mês posterior ao mês de referência m (exclusive)
  • Ji = Taxa de juros pré-fixada.

Ao contratar um empréstimo junto ao BNDES, você não precisa fazer esse cálculo, obviamente. Mas é importante que o conheça para ter ciência do valor total a ser pago e dos juros que incidem na operação.

Como vimos, a TLP toma como base diversos dados econômicos mais recentes. Sobre eles, o valor consegue cobrir a inflação, remunerar o BNDES e agentes financeiros envolvidos, além de outras tarifas. Assim, o tomador de empréstimo paga uma taxa fixa por todo o contrato de acordo com diversos elementos econômicos.

Quer seguir aprimorando seus conhecimentos? Na Capital Research, a gente explica de forma acessível o que em outras fontes pode parecer complicado. Aproveite para acessar o site da Capital e descobrir mais sobre como encontrar as melhores oportunidades de investimento de forma gratuita.

 

 

Recomendados

Investimentos

Bacen: entenda o que é e como essa instituição afeta seus investimentos

O Bacen é uma instituição do sistema financeiro responsável por controlar a ...

3 anos atrás

Investimentos

Capitalização composta: o que é, exemplos e como aproveitar

...

3 anos atrás

Investimentos

Confira aqui uma fórmula de juros para ajudar você a conhecer melhor seu empréstimo

Entenda como calcular juros simples e juros compostos e aprenda uma fórmula que ...

3 anos atrás