Recompra de Ações: como funciona e quando é a decisão certa

Manobra costuma ser vista como sinal de força da empresa na Bolsa de Valores.

Uma ocasional queda no mercado financeiro pode derrubar junto os preços das Ações de determinada empresa. Essa mesma empresa também pode considerar que suas Ações estão sendo mal avaliadas pelo mercado. Daí a explicação pela baixa cotação. Em ambos os casos, quando uma empresa de capital aberto julga que seus Ativos estão sendo negociados por um valor abaixo do ideal, a Bolsa de Valores permite a execução – se aprovada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) – de uma operação que pode reverter esse panorama em lucro, inclusive para seus investidores/acionistas: a recompra de Ações.

Apesar de ser a razão mais comum, uma baixa no valor de seus Ativos não é a única motivação para uma empresa promover a recompra de Ações. Ela também pode estar buscando diminuir o custo com dividendos ou mesmo distribuir as Ações entre seus próprios executivos e colaboradores pelo programa Stock Options. Mas, acima de tudo, ela pode estar sinalizando ao mercado que é hora de investir nela.

Como funciona o processo de recompra de Ações?

A recompra de Ações é um expediente utilizado pelas empresas de capital aberto que, geralmente motivadas por um dos motivos citados anteriormente, deseja readquirir Ativos que foram comercializados na Bolsa de Valores. Para ter o direito de recomprar suas próprias Ações, uma empresa precisa fazer essa solicitação formalmente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Se a requisição for aprovada, a empresa tem um ano para efetivamente fazer a recompra.

Uma vez que a recompra de Ações tenha sido realizada, a empresa é obrigada a escolher uma dentre duas opções:

  • Cancelar essas Ações – o que diminuirá o número de investidores/acionistas e a empresa pagará menos dividendos – ou
  • Custodiar as mesmas Ações para posterior revenda – se acreditar que elas irão valorizar futuramente, com a condição de não manter na tesouraria mais do que 10% do total das Ações que disponibiliza no mercado.

Por que uma empresa faz recompra de Ações

Quando uma empresa promove a recompra de Ações, ela costuma sinalizar ao mercado que acredita na capacidade de seus próprios Ativos (estes estariam, portanto, sendo mal avaliados) e que tem dinheiro em caixa para realizar essa operação. Qualquer recompra de Ações, por sinal, costuma ser divulgada previamente nos meios de comunicação do mercado financeiro.

É como se a empresa enviasse um sinal para o mercado de que, apesar de o valor de suas Ações estarem abaixo da expectativa: A) vale a pena seguir detendo as Ações (para os acionistas); B) vale a pena adquirir suas Ações (para os investidores de olho). Nem sempre, porém, essa proposição positiva se confirma. É o investidor quem deve analisar a fundo a organização em questão e o momento do mercado para tomar a melhor decisão.

Assim, os motivos mais comuns para uma empresa fazer a recompra de Ações, são:

🡪 Sinalizar ao mercado que acredita nas próprias Ações e que possui dinheiro em caixa;

🡪 Cancelar as Ações para reduzir o número de acionistas – aumentando seu próprio lucro e os dividendos de quem segue como acionista;

🡪 Guardar as Ações para revendê-las quando a cotação subir – o que também pode trazer lucro futuro para a organização e seus acionistas;

🡪 Atender o programa interno de Stock Options – e disponibilizar as Ações para seus próprios colaboradores.

Vale a pena recomprar Ações?

Para o investidor que detém Ações da empresa em questão e já é, portanto, acionista, a recompra de Ações pode representar mais dinheiro em dividendos, e até uma valorização futura dos Ativos – contanto que o lucro não seja esperado a curto prazo. Para os demais, também pode ser um bom sinal de que é hora de comprar Ações daquela empresa – afinal, tais Ativos estariam com o preço abaixo do mercado e a própria organização está apostando em sua valorização.

Em ambos os casos, é preciso que o investidor confie no potencial da empresa. Para ter essa crença, é essencial analisar fatores como o histórico da organização, sua liquidez, seu patrimônio e se realmente há dinheiro em caixa. Eventualmente, algumas empresas anunciam a recompra de Ações e não a executam – um blefe que visa somente valorizar os Ativos artificialmente.

Já pelo lado da empresa, a recompra de Ações vale a pena quando ela percebe que terá mais lucro se reduzir o número de acionistas – diminuindo a porção de dividendos que precisa distribuir. Também é uma manobra positiva quando a empresa tem confiança de que seus Ativos voltarão a valorizar e obterá ainda mais lucros com a futura revenda.

O que saber antes de optar pela recompra de Ações

Confira algumas dicas dos riscos a evitar e do que deve ser checado pelo investidor antes de optar por aplicar em uma empresa que está recomprando Ações:

– Tal empresa renova as operações de compra sem nunca anunciar quantos Ativos foram comprados? Pode ser um blefe;

– O investidor tem acesso a todos os detalhes do programa de recompra?

– Se a Ação está sendo vendida por um preço baixo, qual seria o valor justo?

– A empresa possui patrimônio e recursos em caixa que transmitam confiança ao mercado?

Dúvidas sobre investimento? Consulte a Capital Research e receba nossas recomendações!

Recomendados

Investimentos

Novo Mercado: como funciona esse segmento na Bolsa de Valores?

O que é preciso para integrar a lista do Novo Mercado da B3 e quais as ...

2 anos atrás

Investimentos

Capacidade produtiva: o que é e como analisar nos investimentos

A capacidade produtiva é um fator importante ao analisar uma ação da bolsa. Saiba ...

2 anos atrás

Investimentos

Day trade: como funciona na prática (e dá dinheiro?)

Tire suas dúvidas sobre day trade, como funciona esse tipo de investimento na bolsa ...

3 anos atrás