Margem líquida: o que é e como calcular nas empresas

A margem líquida é um indicador essencial para entender a lucratividade das empresas. Veja como calcular e investir melhor.

Lei de Say

A margem líquida é um dos indicadores financeiros fundamentais para entender o desempenho e lucratividade de uma empresa. Por se basear no lucro líquido, ela revela a capacidade da empresa em gerar retornos para seus acionistas de acordo com o faturamento do período.

Se você pretende investir em ações, esse é mais um instrumento para avaliar a saúde financeira do negócio e suas perspectivas de lucro em longo prazo. Mas, para isso, você precisa saber calcular a margem líquida e interpretar corretamente seu resultado.

Siga a leitura e entenda como aplicar esse indicador nos seus investimentos.

O que é margem líquida

Margem líquida é a porcentagem de lucro líquido de uma empresa em relação à sua receita total. No mundo corporativo, é um dos principais indicadores de lucratividade da empresa, usado como base para avaliar sua saúde financeira.

Esse indicador pode ser calculado a partir dos demonstrativos financeiros e contábeis das empresas. Para isso, você deve se atentar ao resultado líquido da DRE (Demonstração do Resultado do Exercício), que pode ser de lucro ou prejuízo, e à receita total das vendas.

Margem líquida x margem bruta

A margem líquida se diferencia da margem bruta por levar em consideração o lucro líquido, que é o dinheiro que sobra efetivamente para os gestores e acionistas. Já o lucro bruto representa os ganhos com as vendas antes de deduzir despesas, impostos, pagamento de juros e folha de pagamento.

Assim, a margem bruta indica quanto a empresa obtém de retorno com as vendas, enquanto a margem líquida mostra o lucro real para cada unidade de venda da empresa. Ou seja: a margem líquida é mais detalhada, pois mostra quanto do faturamento se transforma em lucro de fato.

Importância da margem líquida nas empresas

A margem líquida é um dos indicadores-chave de desempenho (KPIs) utilizados para avaliar a saúde financeira das empresas sob uma perspectiva fundamentalista. Por isso, é indispensável na hora de decidir pela compra de ações com base no potencial de crescimento, lucratividade e rentabilidade do negócio. 

Evidentemente, quanto maior a margem líquida da empresa, maior é sua capacidade de gerar lucros e retorno aos seus investidores. Além disso, um bom resultado desse indicador revela uma posição de vantagem competitiva do negócio.

Como investidor, você deve encarar a margem líquida como a porcentagem de cada R$ 1,00 que restou após todas as deduções de impostos e despesas operacionais. Ou seja: quanto mais sobrar, maiores as chances de ter uma boa valorização da ação ou mesmo receber parte do lucro líquido em proventos e dividendos.

Mas também é preciso tomar alguns cuidados na análise. Para começar, cada setor e segmento econômico tem suas margens líquidas de referência. Por exemplo, uma empresa de serviços pode trabalhar com uma margem de lucro mais alta, por volta de 20%, enquanto uma fábrica não chega a 10%, por conta do próprio modelo de negócio.

Logo, se você for comparar empresas com base nesse critério, é melhor que sejam do mesmo segmento para não distorcer a análise.

Além disso, nem sempre uma margem líquida negativa (ou seja, um resultado de prejuízo) será sinônimo de mau negócio. Lembre-se das empresas com alto valor de mercado que operam no vermelho por anos, mas estão sempre se valorizando e com perspectivas de sucesso em longo prazo. 

Como calcular a margem líquida

Para calcular a margem líquida, basta dividir o lucro líquido pela receita total. O resultado é então multiplicado por 100 para encontrar a porcentagem, na fórmula a seguir:

Margem líquida = Lucro Líquido / Receita Bruta x 100

Por exemplo, imagine uma empresa que fatura R$ 50 mil no mês e tem um custo de R$ 15 mil para compra de mercadorias, R$ 6 mil em despesas operacionais, R$ 2 mil em tributos e mais R$ 17 mil com a folha de pagamento. Logo, deduzidos os gastos, restam R$ 10 mil de lucro líquido.

Ao aplicar a fórmula, temos:

R$ 10.000,00 / R$ 50.000,00 = 0,2 x 100 = 20%

Logo, a margem líquida da empresa é de 20% — ou seja, a cada R$ 100,00 vendidos, a empresa gera R$ 20,00 de lucro livre. Nesse caso, seria um ótimo indicador, dependendo das atividades do negócio.

Para usar a margem líquida nos seus investimentos, é importante acompanhar a evolução do indicador com o passar dos meses — e não somente um valor pontual. Lembrando que esse é apenas um dos inúmeros critérios que você deve considerar para investir em ações.

Se quiser conhecer mais a fundo as técnicas de análise de ações e receber recomendações dos papéis com maior potencial de valorização, assine a newsletter da Capital Research e monte sua própria carteira com dicas de analistas experientes.

Recomendados

Investimentos

Redução de custos e aumento de lucros: como a economia de escala pode impulsionar negócios

Usada com sabedoria, a economia em escala é uma técnica pode auxiliar no ...

2 anos atrás

Investimentos

Margem de contribuição: entenda esse indicador de lucratividade

A margem de contribuição indica a diferença entre receitas e custos diretos e ...

2 anos atrás

Investimentos

O que é reserva de lucros e como analisar nas ações da bolsa

Quer tirar suas dúvidas sobre a reserva de lucros das empresas negociadas na bolsa? ...

2 anos atrás