Liquidez do Tesouro Direto: qual é na prática?

A liquidez do Tesouro Direto é diária, mas isso não significa resgate com lucro a qualquer momento. Entenda na prática.

A liquidez do Tesouro Direto é diária: sempre que quiser, você pode transformar os seus títulos públicos que adquiriu em dinheiro, porque o próprio Tesouro Nacional garante a recompra.

Mas essa liquidez diária não garante que você vai vender os títulos com lucro a qualquer momento.

A rentabilidade só é garantida após o vencimento do prazo contratado. Isso significa que, se você se desfizer de alguns títulos do Tesouro Direto antes do prazo, pode ter prejuízo – ou ver a rentabilidade muito inferior à esperada.

Neste artigo, você vai entender como a liquidez do Tesouro Direto funciona na prática e quais cuidados você precisa tomar ao investir.

Qual é a liquidez do Tesouro Direto?

A liquidez do Tesouro Direto é diária. Isso significa que você pode vender os títulos públicos sempre que quiser, porque o próprio Tesouro Nacional, o “caixa” do Governo Federal, garante a recompra.

No mercado financeiro, liquidez é o nome dado à capacidade de transformar um ativo em dinheiro

O raciocínio é simples: quanto mais líquido um ativo, como as ações de grandes empresas, mais rápido você consegue vender os papéis e transformá-los em dinheiro. Da mesma forma, quanto menos líquido for o ativo, como os imóveis, mais tempo demora para conseguir vender o bem e acessar o dinheiro.

Nos títulos públicos negociados por meio do Tesouro Direto, o Governo Federal garante a recompra de 100% dos títulos. Isso, aliado ao fato de que o risco envolvido no investimento é apenas o risco de insolvência ou falência do país, faz dos títulos públicos a aplicação mais segura do Brasil.

Mas atenção: a liquidez diária garante que você conseguirá vender seus títulos a qualquer momento, sempre que quiser. Só que isso não significa que a rentabilidade da aplicação será a esperada ao comprar os papéis, e você pode inclusive ter prejuízo no investimento.

Isso acontece porque alguns títulos do Tesouro Direto possuem marcação a mercado, como veremos a seguir.

Liquidez do Tesouro Direto e a marcação a mercado

Agora que você já entendeu que a liquidez do Tesouro Direto é diária, chegou a hora de descobrir qual é o papel da marcação a mercado e o que isso significa ao vender os títulos.

Embora os títulos públicos sejam aplicações de renda fixa, isso não significa que os preços e as taxas dos títulos serão constantes no tempo. Apenas que a rentabilidade do título no prazo de vencimento será aquela que você contratou.

Mas qual o problema disso? Entre a data de investimento e de vencimento, o preço do título varia de acordo com o momento do mercado e a evolução da taxa de juros básica da economia, Selic. 

A lógica é fácil de entender:

  • Se a Selic cair em relação à taxa de compra do título, o preço do papel sobe
  • Se a Selic subir em relação à taxa de compra do título, o preço do papel cai.

Portanto, os juros praticados no mercado, que são condicionados pela taxa Selic, têm influência direta sobre o preço dos títulos.

Na prática, o preço do título público é atualizado de acordo com o valor que ele é negociado pelos agentes financeiros naquele momento. É isso que o mercado financeiro chama de “marcação a mercado”.

Para facilitar o entendimento, imagine que você tenha comprado um determinado título público com rentabilidade pré-fixada, com vencimento em cinco anos.

Meses depois de adquirir esse título, o Banco Central decide aumentar a taxa Selic. Significa que os juros básicos da economia estão se elevando, enquanto a rentabilidade do seu título público continua a mesma, pré-fixada. É natural que, nesse caso, o seu título seja negociado a um valor inferior no mercado. 

Assim, se você vender o título antes do vencimento, o Tesouro Nacional vai recomprar pelo valor de mercado, e a rentabilidade pode não ser aquela que você esperava.

Agora, se você esperar até a data de vencimento, terá em mãos a rentabilidade prometida. É por isso que conferir o prazo de vencimento é fundamental antes de investir.

Cuidados com a liquidez do Tesouro Direto

A marcação a mercado é apenas um dos cuidados que você precisa ter com a liquidez do Tesouro Direto. Confira os principais:

Prefixado e Tesouro IPCA têm marcação a mercado

Como você já entendeu, alguns títulos do Tesouro Direto possuem marcação a mercado. Isso significa que, ao vender o seu título antes do prazo de vencimento, o Tesouro Nacional vai recomprá-lo pelo preço que o mercado está negociando.

Nesse caso, você pode ter uma rentabilidade superior ou inferior à esperada no momento do investimento, dependendo da evolução da taxa básica de juros nesse período.

Os títulos prefixados são um exemplo disso. Nesse investimento, você já conhece a rentabilidade do investimento no momento da compra, mas essa rentabilidade só é garantida após o prazo de vencimento. Antes disso, o preço do ativo oscila, e você precisa estar atento se quiser vender.

A mesma coisa acontece com o Tesouro IPCA, que é vinculado ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplos.  Embora ele proteja o investidor da variação da inflação, também tem marcação a mercado, e a rentabilidade vai depender do valor pelo qual o ativo está sendo negociado no dia em que você decidir vender.

Prazos longos oferecem maior oscilação

É justamente pelo fato de alguns títulos públicos possuírem marcação a mercado que você precisa ficar atento ao prazo do investimento antes de investir.

Entre investidores iniciantes, é comum escolher o título público que oferece a maior rentabilidade, para só depois descobrir que o prazo também é o maior, o que vai obrigá-lo a carregar o título até o vencimento, ou abrir mão daquela rentabilidade vendendo a valor de mercado. 

É importante entender que, entre títulos do mesmo tipo, quanto maior for o prazo, maior será a variação de preço do título ao longo do tempo. Da mesma forma, prazos menores provocam uma variação menor do valor. 

Título do Tesouro Direto com liquidez total

O título do Tesouro Direto com a maior liquidez é o Tesouro Selic.

O Tesouro Selic é o único título público pós-fixado, com a rentabilidade atrelada à taxa Selic. 

Por isso, o valor do ativo varia conforme a evolução da Selic, que é ajustada a cada três meses. Isso permite que você venda os papéis sem grandes perdas sempre que desejar. 

Assim, o Tesouro Selic é o mais indicado para quem deseja investir a reserva de emergência ou quer aplicar um dinheiro para o curto prazo, porque não sabe quando pode precisar do montante. 

E aí, gostou do artigo? Se você tem interesse pelo mercado financeiro e deseja receber atualizações diárias na sua caixa de entrada, assine a newsletter da Capital Research e fique por dentro de tudo que acontece nesse universo.

Recomendados

Investimentos

Tesouro Direto: passo a passo de como investir

O Tesouro Direto é uma opção mais rentável e tão segura quanto a poupança. ...

3 anos atrás

Investimentos

Fundo DI ou Tesouro Direto: o que saber para escolher o melhor

Investidor pode optar por investir em Títulos Públicos de forma direta ou ...

2 anos atrás

Investimentos

Descubra quais são as melhores corretoras para Tesouro Direto

Veja dicas para identificar as melhores corretoras para Tesouro Direto e escolher a ...

2 anos atrás