IPO: vale a pena investir? Guia completo

Será que vale a pena investir em IPO? Saiba como analisar caso a caso para tomar a melhor decisão e confira exemplos recentes.

IPO: vale a pena investir

IPO: vale a pena investir? Essa é uma pergunta recorrente diante da abertura de capital das empresas na Bolsa de Valores, oportunidade que costuma seduzir investidores interessados em alta valorização em um curto espaço de tempo.

Como qualquer decisão de investimento, a decisão de aportar o seu patrimônio em uma empresa que está abrindo capital na B3 depende de um estudo cuidadoso. E não importa se você quer investir no IPO para flipar (vender logo) as ações com foco no longo prazo. A análise detalhada, antes de tomar a decisão, é uma condição para diminuir sua margem de erro.

Apenas em 2019, as cinco empresas brasileiras que fizeram o IPO – Centauro, Neoenergia, Vivara, Banco BMG e C&A – movimentaram R$ 10,2 bilhões. O número foi 51,7% maior do que em 2018, de acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais – Anbima. Sinal de que o apetite dos investidores pelos IPOs está alto.

Para as empresas, o IPO pode ser positivo, porque gera visibilidade e permite arrecadar recursos, seja para investir, reduzir endividamento, adquirir concorrentes ou expandir as operações.

Mas até que ponto vale a pena investir em um IPO? Como é possível calcular o risco do investimento, já que não há um histórico robusto de resultados? Como avaliar o desempenho da empresa, se muitas vezes, não há comparações possíveis com concorrentes? É isso que você descobrirá neste artigo. Vamos juntos?

IPO: vale a pena investir?     

Antes de descobrir se vale a pena investir em IPO, você precisa entender os riscos que envolvem esse investimento e que não existem na comparação com o investimento em ações que já estão sendo negociadas no mercado.

O primeiro deles é a assimetria de informações: os sócios, que vão vender parte das ações, conhecem muito mais sobre a empresa e, desta forma, eles estão em posição de vantagem. Outro ponto de atenção está na ausência de um histórico mais longo de resultados. Como o prospecto do IPO costuma trazer informações sobre apenas os três últimos exercícios, é mais difícil entender como a empresa lida com as crises ou com outros ciclos financeiros, por exemplo.

Em terceiro lugar, vem a dificuldade de comparar a empresa que está abrindo capital com concorrentes. Se a empresa for a pioneira do segmento na Bolsa de Valores, você fica sem um parâmetro claro para analisar fluxo de caixa, geração de receita, margem operacional, etc.

Mas o que dizem os grandes especialistas sobre o IPO? De um modo geral, será que vale a pena investir em IPO, ou eles não recomendam o investimento? Reunimos três opiniões para você considerar:

 

Warren Buffett

Investidor mais famoso da história, Warren Buffett, o Oráculo de Omaha, com fortuna estimada em US$ 86 bilhões, não acha que valha a pena investir em IPOs.

Em entrevista de 2019, para a CNBC, Buffett afirmou: “Eu acho que participar de IPOs em períodos de mercado otimista não é algo que as pessoas deveriam considerar, de jeito nenhum”. Em uma carta da Berkshire Hathaway, empresa da qual ele é CEO, ele também afirma: “Você não deveria se preocupar com o que está acontecendo de fato nos IPOs. Pessoas ganham na loteria todos os dias…” Com essa afirmação, ele dá a entender que vê os IPOs como um golpe de sorte, em que o risco não compensa.

O principal argumento para essa posição de Buffett reside no fato de que o IPO é uma “transação negociada”: o vendedor decide quando vir a público com a oferta, e talvez este não seja o melhor momento para o investidor comum.

 

Fred Whittlesey

O investidor, professor e consultor Fred Whittlesey tem opinião similar à de Buffett. Segundo ele, os IPOs são arriscados demais. “Investir em um IPO é semelhante a jogar um videogame. Você precisa apertar o botão certo na hora exata. Mas, infelizmente, a hora exata é antes da oferta pública inicial. Investir em um IPO pode ser arriscado demais para a maioria dos investidores, que só podem aplicar depois que a oferta se torne pública.”

 

Merryn Somerset Webb

Para a editora-chefe do MoneyWeek, Merryn Somerset Webb, “investir em IPOs é uma maneira fácil de perder dinheiro”. Ela traz um estudo conduzido pela Verdad Capital, um grupo de investimento norte-americano, para mostrar que, nos últimos 3,7 mil IPOs dos quais se têm registro, desde 1980, as empresas que abriram capital se desvalorizaram em média 31% três anos depois do IPO. Entre os exemplos de IPOs fracassados, ela cita Blue Apron, Uber, Snapchat, Pinterest, Aston Martin, Peloton e Lyft. “E é provável que haja muito mais”, prevê.

 

IPOs recentes: valeu a pena investir?

Agora que você já conhece a opinião de algumas das principais referências no mercado de ações, vale a pena se debruçar sobre o desempenho recente de empresas que abriram o capital nos últimos anos.

No Brasil, cinco empresas fizeram IPO em 2019, e três em 2018. Em 2018, NotreDame Intermédica (GNDI3), Hapvida (HAPV3) e Banco Inter (BIDI4) abriram o capital. Em 2019, foi a vez de Centauro, Banco BMG, Vivara, Neoenergia e C&A. A seguir, mostramos como as cotações de algumas dessas empresas variaram desde a abertura de capital.

 

Banco Inter – IPO em 30/04/2018

O Banco Inter abriu o capital na Bolsa de Valores no dia 30 de abril  de 2018, captando R$ 722 milhões na oferta pública inicial. Quem investiu na empresa no IPO se deu bem: a cota já valorizou mais de 400% até o início de março de 2020, e chegou a bater 666% de valorização em agosto de 2019. Isso significa dizer que quem comprou R$ 10 mil no IPO e vendeu no topo histórico conseguiu embolsar R$ 66,6 mil, multiplicando o capital por seis vezes.

Mas se engana quem pensa que essa foi uma caminhada tranquila. Em julho de 2018, três meses depois do IPO, a ação estava se desvalorizando em 25%. Ou seja: quem ficou com medo da queda e vendeu suas ações compradas no IPO naquela época conseguiu perder 1/4 do capital alocado.

 

Centauro – IPO em 15/04/2019

A Centauro abriu o capital na Bolsa de Valores no dia 15  de abril de 2019, com a ação precificada em R$ 12,50. Quase um ano depois, a ação acumulava valorização de 293% no início de março de 2020, sendo negociada na casa dos R$ 49,00. Portanto, quem investiu R$ 10 mil no IPO viu o patrimônio valendo R$ 29,3 mil, quase três vezes mais, em menos de um ano.

 

Vivara – IPO em 08/10/2019

A Vivara fez o seu IPO recentemente, em outubro de 2019, com a ação valendo R$ 24,00. No início de março de 2020, a ação era negociada a R$ 27,7. A valorização desde o IPO, portanto, foi de aproximadamente 15%.

Porém, a ação atingiu seu preço teto (até agora) em fevereiro de 2020, quando era negociada a mais de R$ 32,00. Isso significa uma valorização superior a 36% em quatro meses desde o IPO. Ótimo negócio para quem investiu no IPO e vendeu na máxima – o que, não se iluda, não é nada simples.

 

Banco BMG – IPO em 24/10/2019

Até agora, vimos apenas exemplos positivos que, em meio a um mercado em bull market, com tendência de alta, se valorizaram. Mas também há casos de IPOs em que o investidor que entrou na oferta pública está amargando prejuízo, ou declínio da cotação. É o caso do Banco BMG, que também abriu seu capital em outubro do ano passado.

Desde então, até o início de março de 2020, a ação se desvalorizou em mais de 20%. Significa dizer que quem investiu R$ 10 mil no IPO teve, quatro meses depois, o capital desvalorizado em R$ 2 mil.

Saiba quando vale a pena investir em IPOs

Como você percebeu, a análise das empresas que abriram capital na Bolsa de Valores nos últimos anos é recente demais para que seja possível tecer qualquer tipo de conclusão. Para quem investe com a mentalidade de sócio, de olho no longo prazo, somente a partir de 10 a 15 anos será possível tecer conclusões sobre o desempenho das empresas após o IPO.

De qualquer forma, fica o aprendizado: se você não sabe se é o momento de investir em um IPO de determinada empresa, a sua melhor decisão será procurar ajuda especializada. É por isso que casas de análise podem ser aliadas no momento de estudar as ofertas públicas das empresas.

A Capital Research conta com um time de profissionais e especialistas que analisam o mercado minuto a minuto, em busca das melhores oportunidades de investimento. Com o apoio dos especialistas, você conseguirá tomar suas decisões de investimento com mais segurança, fazendo uma análise de risco.

Se você tomar decisões precipitadas por conta própria, corre o risco de deixar a ganância falar mais alto, o que pode colocar em risco o seu patrimônio. Quer mais conteúdos como este? Assine a newsletter da Capital Research.

Recomendados

Investimentos

Ativo não circulante: o que é, tipos e exemplos práticos

Ativo não circulante se refere aos bens e direitos que são permanentes em uma ...

3 anos atrás

Investimentos

Corporate Banking: o que é? Entenda mais sobre esse tipo de banco

Entenda o que é Corporate Banking e quais serviços este tipo de banco oferece. ...

2 anos atrás