Corretora para investimentos: descubra como escolher a sua

Escolher uma corretora para investimentos é um dos primeiros passos para investir no mercado financeiro. Veja como decidir.

Escolher uma boa corretora para investimentos é um dos primeiros passos para quem deseja investir no mercado financeiro.

É para a corretora de investimentos que você vai transferir o seu dinheiro, para que ela faça a intermediação das suas aplicações.

Mais do que segura, uma correta para investimentos precisa apresentar taxas com bom custo-benefício e oferecer funcionalidades que atendam às suas necessidades.

Neste artigo, você vai entender como escolher a melhor corretora para investimentos com critérios objetivos, em um checklist fácil de aplicar. 

O que é uma corretora de investimentos

Uma corretora de investimentos é uma instituição financeira que dá acesso a aplicações financeiras.

Ela funciona como uma intermediária entre o cliente (pessoa física) e as aplicações financeiras, tanto do mercado de renda fixa como renda variável.

Embora os bancos também cumpram essa função até certo ponto, eles oferecem produtos muito restritos, a grande maioria administrados pelo próprio banco, a taxas pouco competitivas. 

Além disso, os bancos tradicionais não têm autorização para que o cliente negocie ações. Por isso, a maior parte dos produtos oferecidos tem a ver com a renda fixa, como CDBs, LCI e LCA.

Já as corretoras têm a missão de funcionar como um catálogo de investimentos, apresentando ao investidor uma série de possibilidades para diferentes classes de ativos, com destaque para o mercado de renda variável, como fundos de ações, fundos multimercados, fundos imobiliários, ações, opções e contratos futuros.

Não há escapatória. Se você quer investir em ações ou em fundos de ações, precisa abrir uma conta em uma corretora de investimentos ou em um banco de investimentos (não confundir com os bancos tradicionais de varejo).

No Brasil, as corretoras são reguladas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e pelo Banco Central (BC).

Taxas de uma corretora para investimentos

Para fazer o intermédio entre você e as aplicações financeiras, as corretoras são remuneradas por meio de taxas, que tendem a variar bastante entre as instituições.

Recentemente, com o recorde de CPFs cadastrados na bolsa de valores, o aumento da procura por renda variável e o avanço da tecnologia, a concorrência nesse segmento cresceu de forma considerável.

Por isso, boa parte das corretoras já opera com taxas bastante competitivas, inclusive com corretagem zero para diversas classes de ativos. A seguir, listamos as principais taxas que podem ser cobradas pelas corretoras de investimentos, dependendo das regras de cada uma.

Taxa de abertura de conta

A taxa de abertura de conta dificilmente é cobrada pelas corretoras, porque isso tende a afastar o investidor iniciante. De qualquer forma, essa taxa, quando cobrada, incide na abertura de novas contas.

Taxa de manutenção de conta

Quando cobrada, a taxa de manutenção é uma forma de remunerar a corretora por manter a sua conta ativa na plataforma, com acesso aos diversos produtos financeiros que ela oferece.

Taxa de administração do Tesouro Direto

A partir de agora, as taxas apresentadas tendem a variar de acordo com o ativo. É o caso da taxa de administração de títulos públicos negociados por meio do Tesouro Direto, que é cobrada por algumas corretoras.

Taxa de custódia B3 para Tesouro Direto

Para o Tesouro Direto, também é comum a cobrança de uma taxa de 0,25% ao ano para custódia das operações. Nesse caso, a taxa é cobrada pela B3 e repassada pelas corretoras.

Taxa de intermediação de renda fixa 

Há corretoras que cobram pela intermediação da renda fixa, para dar acesso a produtos como CDB, LCA, LCI e debêntures, mas elas são minoria.

Taxa de custódia na renda variável

Outra taxa que costuma ser zerada pelas corretoras mais acessíveis é a taxa de custódia de aplicações de renda variável, como ações, opções e contratos futuros. Mas há corretoras que cobram, então é preciso ficar atento.

Taxa de corretagem

A taxa de corretagem é a principal forma de remuneração das corretoras, e costuma ser cobrada em todas as operações de compra e venda dos ativos. A cobrança pode variar entre um valor fixo, um percentual ou uma cobrança que combine os dois elementos.

Dentro das próprias corretoras, as taxas de corretagem variam de acordo com a aplicação financeiras. De qualquer forma, é preciso ficar atento às taxas nos serviços que você vai utilizar, como day trade, swing trade, fundos imobiliários, opções, minicontratos.

Como escolher corretora para investimentos

Agora que você sabe como as corretoras são remuneradas, chegou a hora de entender como escolher a melhor corretora para investir. Aqui, o segredo é a comparação entre as corretoras para investimentos, porque a concorrência pelos melhores clientes tende a favorecer o consumidor. 

Segurança, confiabilidade e regulação

O primeiro critério é um dos mais relevantes, porque você precisa de segurança para investir o seu dinheiro. Confira os registros das corretoras junto aos órgãos competentes e a reputação da corretora no mercado para saber que ela está entre as melhores opções.

Funcionalidades e operação

Agora, você precisa comparar as funcionalidades que cada corretora oferece. Algumas são especializadas em fundos de investimento, enquanto outras focam em renda fixa e outras têm um atendimento melhor para day traders. Descubra se a corretora dispõe das funcionalidades que você precisa e procure testar os serviços, incluindo as versões mobile. 

Taxas e custos

Chegou o momento de comparar as taxas das corretoras para encontrar aquela de melhor custo-benefício. Lembre-se de que, aqui, você provavelmente precisará abrir mão de algo. As corretoras mais velozes, mais confiáveis, mais robustas e de melhor atendimento dificilmente serão as corretoras mais baratas. É preciso balancear para encontrar o melhor custo-benefício

Possibilidade de diversificação

Outro critério que você precisa considerar é a possibilidade de diversificação. A corretora oferece todas as classes de ativos nas quais você deseja investir? Isso inclui os seus fundos de investimento preferidos?

Experiência dos clientes

A experiência dos clientes é um fator relevante a analisar, porque mostra como a corretora de investimentos está se saindo na prática. Leia avaliações e consulte a reputação da empresa em sites de defesa ao consumidor, como o Reclame Aqui.

Conteúdos extras

Finalmente, a disponibilização de conteúdos extras, como relatórios, newsletters e materiais educativos pode ser considerada como um critério no momento de escolher a melhor corretora de investimentos para o seu perfil de investidor.

E aí, gostou das dicas? Se você já sabe qual corretora para investimentos escolher e está em busca das melhores oportunidades do mercado financeiro, assine a Capital Research e tenha acesso aos melhores relatórios do mercado.

Recomendados

Investimentos

Análise técnica das tendências das ações: guia para lucrar na bolsa

...

2 anos atrás

Investimentos

Aplicações financeiras mais rentáveis: quais são e como encontrar

...

2 anos atrás

Investimentos

Ações em queda: o que o investidor deve fazer?

...

2 anos atrás