Análise vertical e horizontal: diferenças e como aplicar

A análise vertical e horizontal são duas maneiras de analisar os balanços das empresas. Entenda como e quando usar cada uma.

Análise vertical e horizontal são duas maneiras de avaliar os balanços financeiros de empresas.

Utilizadas por investidores, gestores, analistas, sócios e empreendedores, essas abordagens têm objetivos diferentes.

Enquanto a análise vertical foca em um mesmo período para comparar o desempenho de diversas áreas ou setores da empresa, a análise horizontal acompanha o desempenho de uma mesma área na comparação entre períodos diferentes.

Neste artigo, você vai entender como essas diferenças impactam na escolha, e vai descobrir quando aplicar a análise vertical ou horizontal, com exemplos práticos.

Análise vertical e horizontal: principais diferenças 

A análise dos balanços financeiros de qualquer companhia pode ser feita de duas maneiras: por meio da análise vertical ou horizontal. Entender as diferenças entre elas é essencial para o investidor que está interessado nos fundamentos das ações e quer descobrir detalhes relevantes sobre as empresas listadas na bolsa de valores.

 

Análise vertical foca em um mesmo período

A análise vertical é realizada “de cima para baixo”, por isso recebe o nome vertical. Ela analisa apenas uma coluna de dados, comparando setores ou áreas da empresa dentro de um mesmo período.

Essa é a principal característica da análise vertical: ela busca compreender detalhes sobre o funcionamento da empresa no mesmo período. Essa avaliação é utilizada, por exemplo, para entender qual a participação de diferentes setores de uma empresa na receita da companhia. 

Então, é possível citar, como principais características da análise vertical:

  • Análise de cima para baixo
  • Comparação entre setores ou áreas
  • Foco em um mesmo período de tempo.

 

Análise horizontal foca na variação ao longo do tempo

Já a análise horizontal é realizada em uma mesma linha, comparando o setor ou área com ele mesmo, em um período diferente. Geralmente, esse tipo de avaliação é feita entre trimestres ou anos, e permite compreender o desempenho de cada setor da empresa separadamente.

Enquanto a análise vertical olha para diferentes setores no mesmo período, a análise horizontal olha para o mesmo setor em diferentes períodos

As principais características da análise horizontal são, portanto: 

  • Análise em linha
  • Comparação dentro de um mesmo setor ou área 
  • Análise da variação do setor no tempo (trimestres ou anos).

Conseguiu entender? A seguir, vamos analisar um exemplo prático para ficar mais fácil a compreensão.

Para que serve análise vertical e horizontal: exemplo prático

A análise vertical permite comparar o desempenho de diferentes setores em um mesmo período, enquanto a análise horizontal serve para entender a variação de um mesmo setor ao longo do tempo.

Para entender melhor, vamos analisar a demonstração de resultados da Arezzo & Co, negociada na bolsa de valores pelo código ARZZ3, no último trimestre de 2019.

Começando pela análise vertical, vemos, na primeira coluna, a participação de diferentes setores nos resultados da empresa no quarto trimestre de 2019, divididos por mercado, marca e canal.

A Arezzo facilita o cálculo para o investidor, e já expõe, na segunda coluna, a participação respectiva de cada área no resultado.

Isso nos permite descobrir, portanto, que o mercado interno é responsável por 88,5% da receita, que a marca Arezzo lidera as vendas, com 55,6% de participação na receita, e que as franquias são a maior fonte de receitas, com 53,3% do total.

Interessante, certo? Agora, com a análise horizontal, vamos analisar um mesmo setor e a sua variação ao longo do tempo.

Olhando para a parte da tabela na lateral direita, que compara o ano de 2019 com o ano de 2018, vemos que a receita do mercado interno alcançou R$ 1,8 bilhão em 2019, um crescimento de 7,5% em relação a 2018.

Já a marca Arezzo teve um crescimento de receita de 3,5% de um ano para o outro, chegando a R$ 983 milhões.

Mas a análise vertical e horizontal também podem ser utilizadas em conjunto, e é aí que a mágica acontece.

Analisando os dados, por exemplo, vemos que o setor de e-commerce teve o maior crescimento percentual entre os canais de venda, com 31,9% de aumento. 

Sozinho, esse número pode parecer mais impactante do que realmente é, porque a análise vertical nos mostra que, mesmo depois desse crescimento, o e-commerce representa apenas 11,9% da receita total da companhia.

Entendeu como a análise vertical e horizontal, quando utilizadas juntas, podem desvendar o funcionamento das empresas?

Quando usar a análise vertical

Ao receber a divulgação de resultados de uma empresa, é comum que o investidor inexperiente fique perdido em meio à tanta informação.

Nesse caso, a análise vertical pode ser uma ótima opção para começar a entender o resultado, porque ela deve ser utilizada quando você quer descobrir, dentro da organização, quais são os setores mais relevantes e as áreas que têm maior participação no resultado.

Com essa informação, você pode direcionar e focar a sua análise no que é mais relevante, sem desperdiçar tempo ou recursos em uma área que tem pouco impacto real para a empresa.

Além disso, a análise vertical pode ser utilizada para comparar os setores e entender o que a empresa está fazendo bem e onde está deixando a desejar. Ela passa uma fotografia atual do momento.

Quando usar a análise horizontal

Já a análise horizontal deve ser utilizada quando você quer comparar um indicador com ele mesmo, entendendo a sua variação ao longo do tempo.

Será que a empresa aumentou seu lucro líquido? E o EBITDA? Será que vendeu mais, conquistou mais clientes? E a dívida, avançou ou diminuiu?

Todas essas análises são feitas por meio da análise horizontal, o que permite traçar uma tendência e projetar cenários futuros, se o desempenho se mantiver. 

Na prática, enquanto a análise vertical mostra uma fotografia do momento, a análise horizontal entrega um filme, porque mostra a comparação entre diferentes períodos.

Seja qual for o seu tipo de análise preferido, ambas são importantes e devem ser valorizadas pelo investidor.

A grande vantagem é que você não precisa abrir mão de uma para ter a outra: com inteligência, é possível tirar o melhor resultado de cada uma.

E aí, gostou do artigo? Inscreva-se na newsletter da Capital Research e receba informações diárias sobre o mercado financeiro na sua caixa de entrada. 

Recomendados

Investimentos

Padrões de candlestick: o que é e como interpretar? Saiba tudo

Entenda o funcionamento de uma técnica oriental do séc XVII que mudou completamente ...

3 anos atrás

Investimentos

Análise de custos: o que é, para que serve e como fazer

Entenda a importância, quais os métodos mais utilizados e de que forma a análise ...

3 anos atrás

Investimentos

Casa de análise: vale a pena? Entenda mais sobre

Investir pode causar muitas dúvidas nos iniciantes, por isso, contratar os serviços ...

2 anos atrás