Margem EBITDA: por que analisá-la é tão importante?

Conheça o indicador financeiro que apresenta a lucratividade da empresa e ajuda o empresário na tomada de decisões certeiras

Cuidar dos negócios não é tarefa fácil. Além de se preocupar com a parte operacional da empresa é preciso estar sempre de olho nas mudanças do mercado, nas novidades da concorrência e no bem estar dos funcionários, por exemplo.

Somada a esses desafios está a necessidade de acompanhar de perto a saúde financeira da empresa. Isso porque é essa análise da lucratividade que permite que o empresário tenha uma visão panorâmica dos negócios, percebendo quais operações da empresa necessitam de maior atenção. Mas como acompanhar de perto as finanças da empresa evitando prejuízos no futuro?

Bem, a solução pode estar nos indicadores financeiros! De forma resumida, os indicadores são métricas de performance desenvolvidos a partir dos demonstrativos financeiros da empresa. Eles foram criados para fornecer ao gestor/empresário informações necessárias sobre a organização dos negócios.

Neste artigo, vamos explicar melhor um indicador específico, o EBITDA. No texto traremos valiosas informações sobre o que é esse indicador, qual a sua importância e como interpretar seus dados. Vamos lá?

O que é a margem EBITDA?

A sigla vem do inglês “Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization” que, traduzido para o português significa “Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização”.

A margem EBITDA nada mais é do que um indicador financeiro e variável de desempenho da empresa que ajuda os empresários na tomada de decisão já que aponta se os ativos operacionais do negócio estão gerando lucro ou não.

Quais são os fatores considerados na margem EBITDA?

A margem EBITDA considera apenas o lucro “limpo” da empresa em um determinado período de tempo. Isso porque seu cálculo exclui as tributações e os impostos da conta.

Para calculá-la é preciso ter em mãos o demonstrativo de rendimentos da empresa (DRE) correspondente ao período que se deseja saber a margem EBITDA. Com esse valor em mãos, deve-se

  • somar ao lucro líquido os valores descritos como tributos e imposto de renda e contribuições;
  • subtrair qualquer valor positivo que não influencie diretamente no caixa da empresa;
  • reservar o valor calculado (esse valor é conhecido como EBIT, ou seja, lucros sem tributação. Para calcular a EBITDA os cálculos continuam);
  • somar a esse valor a depreciação e amortização que constam no DRE;
  • dividir o valor total pela receita líquida;
  • transformar o valor em porcentagem

Como calcular a margem EBITDA?

Para que você aprenda a calcular a EBITDA, apresentamos abaixo um exemplo prático. Digamos que uma empresa X apresente uma receita de R$500.000 e um EBITDA de R$70.000. Para esse exemplo, calculamos a margem fazendo a divisão do lucro pela receita líquida.

Ou seja, a margem EBITDA seria:

R$70.000/R$ 500.000 = 014.

Transformamos 0.14 em porcentagem e temos como resultado uma margem EBITDA de 14%. Esse valor permite que analistas e investidores comparem empresas de diferentes tamanhos dentro de um mesmo setor, por exemplo. Dessa maneira, é possível elaborar estratégias eficientes para superar a concorrência e se estabelecer na liderança do mercado.

Recomenda-se que o cálculo seja refeito com certa periodicidade para dar ao empresário um histórico da lucratividade. Manter um registro dos cálculos é uma ótima estratégia também, assim, caso haja mudança na gestão, os registros permitem a interpretação dos altos e baixos da empresa.

Qual é a diferença entre analisar a Margem EBITDA e Margem Líquida?

De forma simplificada, a margem de lucro líquida de uma empresa é o resultado de uma divisão do lucro líquido pela receita líquida depois de todos os impostos e tributos serem devidamente deduzidos. É o resultado líquido das vendas em determinado período de tempo.

A margem EBITDA costuma ser maior que a margem líquida já que é o resultado líquido do período calculado acrescido dos tributos sobre o valor líquido, das depreciações e amortizações. As empresas com baixa lucratividade dependem da margem operacional para medir seu sucesso no mercado.

Vantagens e desvantagens de se analisar a partir da margem EBITDA

Como já dissemos, a utilização da margem EBITDA é muito importante para qualquer empresa que deseje avaliar sua lucratividade. Ela é uma ferramenta interessante pois permite que essa lucratividade seja visualizada antes das deduções inerentes a qualquer negócio que nada têm a ver com a margem de lucro em si.

Assim, o empresário ou gestor pode entender melhor as operações da empresa e tomar as melhores decisões para o negócio. A margem é interessante porque:

  • Facilita a compreensão dos avanços da empresa – quanto maior o resultado alcançado no cálculo da EBITDA, maior a lucratividade da empresa no mercado;
  • Permite o acompanhamento financeiro – quando calculada periodicamente, a margem EBITDA oferece um panorama que permite ao empresário perceber com mais facilidade se a empresa está evoluindo, se está estagnada ou se está decaindo;
  • Ajuda a mapear a concorrência – já que os resultados permitem a mudança de estratégias para alcançar e ultrapassar os concorrentes;
  • Funciona como elemento motivador dos colaboradores – pode ser usada pelo gestor como forma de incentivar a equipe a superar a meta e melhorar os resultados.

Por que esse indicador não pode ser o melhor ao analisar uma empresa

A margem EBITDA leva em consideração apenas as contas de resultado, desprezando por exemplo as contas patrimoniais. Além disso, companhias muito endividadas não devem ter sua lucratividade mensurada pelo desempenho da sua margem EBITDA porque o pagamento de juros é excluído desse cálculo.

Lembre-se que essa margem se torna mais útil quando comparada com outros indicadores. Só assim é possível ter uma percepção completa da lucratividade e desempenho de uma empresa.

E então, você já usa a margem EBITDA? Ela é ótimo indicador para sua empresa, mas deve ser usada com algumas ressalvas. Por avaliar apenas os resultados operacionais da empresa, muitas vezes a margem mascara a realidade pois apresenta apenas um valor demonstrativo.

Gostou desse conteúdo? Para mais informações como essa continue acompanhando nossos artigos. Aproveite para conhecer também outros indicadores e estudar sua relação, assim, você garante sempre os melhores resultados. Até a próxima!

Recomendados

Investimentos

CDB e CDI: conheça as diferenças antes de investir

Entenda melhor sobre esses dois tipos de certificado de depósito e como se ...

3 anos atrás

Investimentos

Debêntures: confira aqui o que é e como investir

Aprenda o que são debentures, os tipos, rendimentos e como ...

3 anos atrás

Investimentos

Fusão de empresas: o que é e quais as vantagens e desvantagens?

Entenda como funciona o processo de fusão e porque é cada vez mais comum isso ...

3 anos atrás