Investidor de risco: o que é e qual a sua importância para o mercado?

Saiba o que é um investidor de risco e entenda qual o papel que ele desempenha dentro da empresa e no mercado em geral

Participações acionárias, posicionamento incisivo, retorno do investimento com maior rentabilidade possível dentro do menor tempo e a busca por novas oportunidades. O perfil é hoje uma das presenças mais importantes em um sistema econômico no qual novas — e rentáveis — empresas surgem em busca de subsídios para iniciar ou manter seus negócios.

Buscando maximizar o crescimento dessas empresas e garantir sua porcentagem de lucro, alguns desses investidores de risco tornam-se também consultores para os negócios em que investem. Desta maneira, contribuem com sua expertise para compor planejamentos estratégicos, um papel muitas vezes fundamental para novos negócios.

De uma maneira mais simples, o investidor de risco é a figura que aposta em uma empresa ou startup, uma área de investimento muitas vezes arriscada e com elevado potencial de falhas. 

Diferentemente dos chamados “sócio-capitalistas”, o investidor de risco não utiliza seu capital para suprir as demandas da empresa, nem pensa em resultados obtidos em longo prazo.

Devido ao alto risco envolvido nas aplicações, normalmente esse perfil de investidor assume posturas agressivas de mercado, que visam rápido retorno e lucros altos. Uma vez que as metas estabelecidas tenham sido cumpridas, o investidor de risco retira-se em busca de novas oportunidades.

Investidor de risco: o que é?

O investidor de risco é quem provém capital para empresas que apresentem alto potencial de crescimento, e faz isso em troca de lucros que sejam equiparados ao risco corrido com a operação.

E, diferente do que o nome sugere, dificilmente trata-se de apenas uma pessoa. A maioria do capital de risco vem de empresas deste segmento, cujo ramo de atuação consiste em colher investimento de diversas fontes e aplicar esse capital em empresas que ofereçam retorno rápido e lucrativo.

Esses grupos normalmente investem em empresas que estão começando suas atividades — as chamadas startups —, ou em negócios consolidados que possam precisar de um auxílio.

Além desses casos, empreendedores cujo perfil é considerado de alto risco por instituições financeiras, como bancos e seguradoras, também tendem a procurar o capital e a consultoria desse tipo de investidor.

Qual o papel do investidor de risco dentro da empresa?

Investidores de risco querem a garantia não apenas do retorno do valor investido, mas do lucro correspondente ao risco assumido na operação. Segundo Alejandro Cremades, empreendedor e antigo colaborador da revista Forbes, esses grupos esperam lucro de 25% ou mais.

E para assegurar que as metas sejam alcançadas, muitos desses investidores irão solicitar amplo acesso e poder de decisão nas políticas da empresa. Isso inclui poderes especiais para vetar projetos e, muitas vezes, participação majoritária nas ações.

Portanto, escolher pelo capital de risco pode não ser a melhor alternativa para empreendedores que desejem manter maior controle de seus negócios.

Qual a diferença entre sócio-capitalista e investidor de risco?

O termo “sócio-capitalista” compreende um conceito antigo e bastante utilizado por empresários brasileiros. Mas engana-se quem acredita que investidores de risco sejam assim tão recentes.

Até a primeira metade do século XX, a maior parte dos investimentos em novos negócios nos Estados Unidos vinha de famílias ricas, como Wallenbergs, Vanderbilts, Whitneys, Rockefellers e Warburgs.

O final da Segunda Guerra Mundial trouxe a criação da ARDC – American Research and Development Corporation, considerada a primeira empresa de investimento de risco da história.

Segundo registros, o caso de maior sucesso da ARDC foi o investimento na Digital Equipment Corporation (DEC). Em 1957 foram investidos 70.000 dólares que, posteriormente, foram avaliados em 355 milhões de dólares, quando da oferta pública realizada em 1968.

Após sucessivos casos com resultados positivos, a empresa tornou-se a primeira a captar recursos de empresas privadas — e não de famílias ricas — para investimento em novos negócios.

Apesar de não exatamente tão novo assim, o conceito de investidor de risco difere do conceito de sócio-capitalista em pontos cruciais. Enquanto o primeiro visa lucros dentro do menor tempo possível, com o objetivo de vender sua parte na empresa, o segundo tende a colher o retorno de seu investimento pouco a pouco, acompanhando o crescimento estável do negócio em que está envolvido.

Outra diferença está no modelo do investimento. Enquanto investidores de risco aplicam todo o dinheiro necessário de uma só vez, sócio-capitalistas participam do dia a dia da empresa, aplicando recursos conforme necessário.

Sócio-capitalistas também buscam por investimentos mais seguros, enquanto investidores de risco se aventuram em aplicações com grande potencial de falhas, o que termina por aumentar os lucros em casos de acertos.

5 Investidores de risco que ficaram famosos

Apesar de lidarem com um mercado delicado, muitos investidores de risco tornaram-se famosos por viabilizar a existência de modelos de negócios que hoje fazem parte da rotina de milhões de pessoas.

A seguir, listamos 5 deles e as empresas em que investiram:

Jim Goetz

No final de 2012, Goetz investiu US$ 60 milhões no aplicativo WhatsApp. Dois anos depois, quando o aplicativo foi comprado pelo Facebook, Goetz colheu impressionantes US$ 3 bilhões.

Bill Gurley

Sócio-geral da empresa de capital de risco Benchmark, Gurley foi o investidor na empresa de transportes Uber.

Kathy Xu

Considerada nova no ramo, Kathy fez seus US$ 18 milhões investidos na empresa jd.com retornarem como um cheque no valor de US$ 2,9 bilhões.

Mary Meeker

Permanecendo na lista dos 10 maiores investidores de risco pela Forbes, Meeker investiu em empresas como AirBnB, Facebook e Twitter.

Hans Tung

Com mais de US$ 13 bilhões em seu portfólio, Tsung investiu em empresas de comércio eletrônico como Wish e também na fabricante de eletrônicos Xiaomi.

Recomendados

Investimentos

Custo operacional nos investimentos: o que é e como calcular?

Entenda o que é o custo operacional nos seus investimentos e quais são as taxas e ...

3 anos atrás

Investimentos

Fundos Multimercado: por que investir e como escolher

Fundos multimercado são aplicações administradoras por gestoras para entregar ...

3 anos atrás

Investimentos

Fusões e Aquisições: como o processo de M&A influencia nos investimentos

Fusões e aquisições, ou (M&A), são acontecimentos comuns no mercado financeiro. ...

3 anos atrás